Seade divulga aumento de 11 mil empregos formais no estado

No total de 22,7 milhões de pessoas ocupadas, 29,3% representam ocupações sem contribuição à Previdência. Foto Arquivo/DHoje

Um estudo elaborado pela Fundação Seade, com base no Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), no Estado de São Paulo, em outubro, houve criação de 11.727 mil empregos formais no Estado de São Paulo.

Ainda segundo o levantamento, neste ano, o saldo no estado foi de mais 263.747 empregos, o que corresponde a 31,3% dos postos de trabalho gerados no país que totaliza 841.589 empregos.

Os reflexos positivos foram sentidos, principalmente, nos setores do comércio com 9,2 mil postos de trabalho, nos serviços 8,9 mil postos e na construção 2,3 mil. Já na área da agropecuária houve um decréscimo de 7,3 e na indústria de transformação -1,6 mil.

Na comparação com outubro de 2018, dos 170 mil novos empregos gerados no Estado de São Paulo, 76 mil foram na capital, 28 mil nos demais municípios da RMSP e 20 mil na Região Administrativa de Campinas.

Quanto às informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE, para o Estado de São Paulo, no 3º trimestre, o nível de ocupação aumentou em relação ao trimestre anterior (228 mil, ou 1,0%) e em relação ao mesmo trimestre de 2018 (599 mil, ou 2,7%).

No total de 22,7 milhões de pessoas ocupadas, 29,3% representam ocupações sem contribuição à Previdência. Nessa situação houve aumento de 295 mil pessoas em relação ao trimestre anterior e 342 mil em relação a igual período de 2018.

Segundo a pesquisa, o salário em média dos ocupados com carteira assinada do setor privado, em agosto, foi de R$ 2.717, enquanto para os sem carteira assinada registrou R$ 2.169. Já os trabalhadores por conta própria, os rendimentos atingiram R$ 2.307.

Da REPORTAGEM

SEM COMENTÁRIOS