SAÚDE VASCULAR – Lipedema, uma doença ainda pouco conhecida

Com o aumento do sobrepeso e da obesidade entre a população feminina, muitas mulheres têm recebido o diagnóstico de Lipedema quando apresentam inchaço nas pernas. Apesar de o aumento recente no reconhecimento do Lipedema entre o público leigo, em grande parte devido à proliferação de conteúdos nas mídias sociais sobre o assunto, o Lipedema representa uma doença ainda pouco conhecida, mal diagnosticada e tratada de maneira insuficiente.

O Lipedema caracteriza-se pela deposição anormal de gordura nos glúteos e nas pernas e pode ser acompanhado de edema. Tecnicamente, ocorre o acúmulo desproporcional de gordura nas extremidades inferiores, geralmente acompanhado por edema nos membros quando a pessoa fica em pé e por dores nas pernas. O comprometimento estético, o desconforto progressivo e a desfiguração são imperativos nas pacientes portadoras da doença, resultando em sofrimento psicológico e físico.

Dhoje Interior

Estima-se que até 50% dos pacientes com Lipedema também estão em sobrepeso ou são obesos, o que pode dificultar o diagnóstico. A desproporção da distribuição da gordura típica do Lipedema pode ser facilmente confundida com a desproporção ginecoide ou a obesidade em forma de pera. Entretanto, Lipedema não é sinônimo de obesidade.

Algumas diferenças entre estas duas entidades clínicas auxiliam no diagnóstico clínico do Lipedema. Quanto ao gênero, enquanto a obesidade pode acometer tanto homens quanto mulheres, o Lipedema ocorre quase que exclusivamente nas mulheres. Quanto à localização do depósito de tecido adiposo, na obesidade observa-se acúmulo de gordura em todo o corpo, enquanto no Lipedema os depósitos mais comumente ocorrem nos quadris, nas nádegas e nas pernas. No Lipedema, as áreas afetadas são dolorosas, sensíveis e suscetíveis a hematomas e equimoses.

O diagnóstico do Lipedema é clínico e ainda não temos à disposição exames de imagem específicos para sua investigação detalhada. O tratamento do Lipedema almeja aliviar os sintomas e melhorar a qualidade de vida do paciente, diminuir a progressão da doença e prevenir as complicações. Dentro do planejamento terapêutico, quatro terapias principais devem ser combinadas para minimizar os sintomas clínicos do Lipedema:

1 – Drenagem linfática manual, com terapia compressiva, exercícios e cuidados com a pele;

2 – Dieta e atividade física;

3 – Tratamento cirúrgico com lipoaspiração;

4 – Suporte psicológico quando necessário.

No meu site (www.drsthefanovascular.com.br) você encontrará mais informações sobre Lipedema e suas formas de tratamento.

Prof. Dr. Sthefano Atique Gabriel – Doutor em Pesquisa em Cirurgia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, especialista nas áreas de Cirurgia Vascular, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular e coordenador do curso de Medicina da União das Faculdades dos Grandes Lagos (Unilago)