Saúde tem demanda reprimida de 49 mil procedimentos

"A saúde preconiza como ideal que o paciente demore no máximo 60 dias entre a consulta e os exames. Nos casos em que o paciente apresenta risco de morte e complicações no quadro de saúde o atendimento precisa ser imediato" - ELEUSES PAIVA Secretário da saúde

Secretário anuncia mutirão e um possível terceiro turno na Saúde para diminuir o número de exames e consultas reprimidas. Pacientes começam a ser convocados em abril e cerca de 44.722 procedimentos serão realizados entre três e cinco meses.

Os pacientes que dependem da saúde pública em Rio Preto e possuem exames e consultas pendentes terão seus procedimentos realizados através de um mutirão, já no mês que vem.
Em coletiva ontem, o secretário de Saúde e vice-prefeito, Eleuses Paiva, afirmou que todos os pacientes serão atendidos levando em consideração os critérios de gravidade.

“Temos quase 50 mil procedimentos em lista de espera e muitos pacientes aguardando há quase dois anos, sem resposta. A saúde se organizou para realizar 44.722 deste total da demanda reprimida em um prazo de três a cinco meses, avaliando o risco de cada paciente. Todos serão avisados do dia, local e hora em que deverão comparecer para realizar os exames e a consulta.”

Ainda segundo o secretário, a saúde estuda um terceiro turno, trabalhando a noite e aos finais de semana, utilizando a rede conveniada para sanar a demanda. Os locais onde a pasta encontrar dificuldade, tanto com a demanda própria e serviços próprios, novas parcerias serão firmadas, inclusive com instituições privadas, de acordo com Eleuses.
Sobre a demanda cotidiana, o secretário destacou que os trabalhos continuam e que um tempo foi estabelecido para espera em procedimentos de menor gravidade. “A saúde preconiza como o ideal que o paciente demore no máximo 60 dias entre a consulta e os exames. Nos casos em que o paciente apresenta risco de morte e complicações no quadro de saúde o atendimento precisa ser imediato.”

Os serviços com maior procura na saúde pública de Rio Preto são: ortopedia, cirurgia vascular, otorrino, dermatologia, neurologia, cardiologia, reumatologia, urologia, gastro e geriatria. Já os exames são os de endoscopia, ecocardiograma, ultrasson, doppler, colonoscopia, espirometria, ressonância e tomografia.

O médico e assessor especial do secretário, Aldenis Borin, também participou da coletiva e disse que a saúde caminha para diminuir a demanda reprimida mensal. “Estamos analisando especialidade por especialidade. Na ortopedia hoje temos apenas quatro profissionais quando o ideal seriam nove na rede. Temos que ir atrás do profissional para atraí-lo. Em outras especialidades temos a falta de equipamentos. Temos características diferentes e um trabalho minucioso a ser feito, mas temos condições de normalizá-los.”

 

Por Jaqueline Barros

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS