SAÚDE FISIO – Fisioterapeuta hospitalar e o atendimento aos pacientes internados com Covid-19

A fisioterapia hospitalar atua diretamente no tratamento de pacientes hospitalizados, seja na enfermaria, unidade de terapia semi-intensiva ou unidade de terapia intensiva, para prevenir complicações respiratórias, neurológicas e motoras.

Na grande maioria dos serviços hospitalares a fisioterapia é realizada duas vezes ao dia. O fisioterapeuta então planeja o que será feito em cada uma dessas sessões, a fim de que uma complete a outra e o objetivo proposto seja alcançado com mais facilidade.

Dhoje Interior

Tipos de fisioterapia hospitalar:

  • Pediatria e Neonatologia
  • Paciente neurológico
  • Pacientes oncológicos e cuidados paliativos
  • Pacientes ortopédicos no âmbito hospitalar
  • Paciente queimado
  • Intervenção fisioterapêutica em unidades de terapia intensiva e semi-intensiva

Convidamos uma fisioterapeuta, que atua diretamente no hospital, para nos informar o que mudou nesses atendimentos hospitalares com a Covid-19.

Dra. Keith Bonsegno, fisioterapeuta, atua em uma unidade hospitalar de São Paulo, capital.

Dra. Keith, o que mudou no hospital após a Covid?

Muitas coisas mudaram, começando pela nossa vestimenta e setorização dos pacientes.
Pacientes com Covid ou suspeita, ficam em um setor específico, separados de outros pacientes com outras patologias.

Quando o paciente chega, qual avaliação é feita para definir o grau da patologia? Exames complementares e avaliação da equipe multidisciplinar, pacientes com insuficiência respiratória e/ou com saturação abaixo de 93%, mesmo com aporte de O2 de até 15 litros por minuto, após encaminhar para fisioterapia geral.  Qual avaliação é realizada?

É avaliado o padrão respiratório, nível neurológico, saturação de O2, frequência respiratória e cardíaca, necessidade de O2 a saturação é um ponto definitivo para encaminhar para UTI?

São vários os pontos definitivos do protocolo: exames complementares e avaliação da equipe multidisciplinar, pacientes com insuficiência respiratória e/ou com saturação abaixo de 93%, mesmo com aporte de O2 de até 15 litros por minuto.

Quais parâmetros devem ser a saturação do paciente?

É avaliado o padrão respiratório, nível neurológico, saturação de O2, frequência respiratória e cardíaca, necessidade de O2. A saturação abaixo de 93%.

Como o paciente que está passando mal pode saber a hora de procurar o pronto socorro ?
Dificuldade para respirar e febre.

Muitas pessoas chegam em carros particulares, como é feito o deslocamento dessas pessoas? Tem uma emergência separada das demais patologias?

No Pronto-Socorro temos salas específicas para suspeitos de Covid.

Qual o clima do profissional que está na linha de frente? Quais seus anseios, medos e a prevenção?

Sabendo que você tem duas crianças em casa, o clima é de tensão e medo. Estamos lidando com algo novo e desafiador. Todos temos medo de ficar doentes e levar o vírus para nossas casas.

Mas me sinto segura usando os equipamentos de segurança que o hospital disponibiliza.

Faça uma pergunta ou um relato que você acha importante.

Como ainda não temos vacinas, o isolamento social é sim muito importante nesse momento e se precisar sair seguir todas as recomendações da OMS, como uso de máscaras e realizar todas as medidas de higiene. É importante também cuidar da cabeça, selecionar o que vão consumir de informações, tentar manter uma boa alimentação, hidratação, e boa noite de sono com exercícios e sol por 10 minutos ao dia.

Como é a alta deste paciente? Vai com recomendação de fisioterapia e quais orientações gerais?

Os pacientes que recebem alta hospitalar são orientados a continuar com acompanhamento de fisioterapia motora e respiratória em casa, seja esse atendimento presencial ou online.

Gratidão à Dra. Keith Bonsegno Rodrigues pela entrevista. Que Deus te proteja e a todos profissionais da linha de frente da fisioterapia hospitalar.
Dra Silvia Batista
Fisioterapeuta e educadora física.
@silviabatistafisiodancer
Email: [email protected]