SAÚDE E SEXUALIDADE – Prazer da comunicação verbal e não verbal no relacionamento

Estou aqui para preencher com muito carinho e entusiasmo este vazio na vida de tantas pessoas que é comunicação verbal e não verbal no relacionamento.

LIBERDADE e RESPONSABILIDADE são responsáveis por ampliar seu conhecimentos no dia a dia, gozando a sexualidade de forma plena e sadia, tornando o prazer mútuo uma grande preferência.

Dhoje Interior

Falar sobre sexo pode se traduzir em benefícios para a nossa vida sexual – especialmente se a conversa acontece durante o ato. Uma nova pesquisa mostra que o conforto com a comunicação sexual está diretamente ligada à satisfação sexual.

Os pesquisadores descobriram que pessoas que estão mais à vontade para falar sobre sexo também são mais propensas a fazer isso durante o sexo. No entanto, isso não explica totalmente porque aqueles que gostam de conversar durante o ato sexual são mais felizes com suas vidas eróticas.

“Mesmo que você tenha só um pouco de ansiedade a respeito da comunicação, isso não afeta só o fato de você estar se comunicando ou não, mas também afeta diretamente a sua satisfação”, afirma a pesquisadora Elizabeth Babin, especialista em comunicação na saúde na Universidade Estadual de Cleveland (EUA).

A ansiedade “pode tirar as pessoas do momento e, portanto, reduzir a satisfação geral que elas experimentam durante seus encontros”, explica ela.

Na próxima vez que você e seu parceiro (a) marcarem um encontro, se acariciarem juntos, utilizem a comunicação verbal e não verbal para ajudar o outro e a si mesmo, dando um pouco mais de prazer. E se lembre de falar o que não te agrada, de maneira honesta.

Por exemplo quando seus seios estiverem sendo beijados ou acariciados, você pode se comunicar verbalmente. Se você estiver gostando, experimente dizer: Está gostoso!

Caso você não esteja aproveitando da melhor forma, tente algo como: Dói quando você acaricia o bico, experimente fazer em volta dele.

Conduzir com suas mãos de modo que o caminho onde e como seja claro para seu parceiro, mostrando onde você deseja ser estimulada, de maneira mais prazerosa.

O importante é entender que ambas as formas de se comunicar são combutiveis importantíssimos para o prazer sexual.

Com o tempo você e seu parceiro vão encontrar uma comunicação própria e espontânea que gera unicidade na conexão de corpo e alma.

Dar e receber significa ENVOLVIMENTO físico e emocional de ambos, a tal ponto que a cada transa vocês fortalecerão essa linguagem, que virá em mistura de sintonia carnal, sons e olhares.

Vale lembrar que no começo é natural um pouco de constrangimento. Quando você comunica diretamente coisas de caráter sexual na primeira transa, a melhor dica é humanizar o relato, apoiando e acolhendo as suas próprias VULNERABILIDADES, que se espelhem com as do seu parceiro.

Frase como: “Eu sei que você está com vergonha, eu também estou” ou “Para mim foi difícil dizer/fazer isso” dão à sua companhia o estímulo e o APOIO que ela precisa naquele momento, fazendo com que ela COMPREENDA através de afirmações evitando as negações.

O foco da comunicação verbal ou não-verbal é transmitir quais são as suas NECESSIDADES, sejam elas vitais ou de renovação contínua da sua sexualidade.

O caminho de descoberta recíproca e individual será excitante mesmo após o êxtase, pois juntos vocês construirão essa sintonia única, que elevará tanto a sua autoestima quando a do seu parceiro.

Aumentará o vigor, a produção de ocitocina e, cada vez mais, deixar o gosto de “quero mais”, exercendo outra atividade não-verbal, que é a saudade. O pensamento dele em você, sem o peso da obrigação de compromisso frustrante.

A vontade de estar nos seus braços e começar de onde terminaram o último encontro, neste processo de descobrimento e comunicação alternadamente, ou ao mesmo tempo, contando que cada um possa ficar em contato com o que está sentindo e ajudar seu parceiro a lhe dar prazer.

Algumas vezes você vai querer se envolver totalmente em DAR prazer à sua companhia, outras vezes você vai se jogar de cabeça em RECEBER prazer e, ainda em outras, receber e dar prazer mutuamente.

O importante é compartilhar, revezar as carícias, descobrir novos padrões entre o toque da sua mão sobre a mão dele, movendo ou apertando mais, para indicar o tipo de carícia que você deseja naquele momento e não perder o timing daquela comunicação não-verbal e aquecer ainda mais o ato sexual propriamente dito.

Quando nos permitimos ao novo, levamos nosso prazer ao máximo e nossa felicidade se torna completa, além de nossa autoestima e independência emocional.
Beijos e até a próxima.

Mirna Zelioli – Formada em pedagogia e sexóloga em formação e palestrante em vendas. Gestora comercial, sensual coach, empresária do mercado erótico, criadora do projeto SAT (Sexualidade Amor pra Todos), Projeto de Inclusão, projeto CEL (Coragem e Empoderamento e Libertação).