SAÚDE E SEXUALIDADE – Fantasias sexuais fazem um bem danado a qualquer relação

Ter fantasias sexuais é comum tanto para homens quanto para mulheres. Apesar de ser um assunto amplamente discutido, na relação a dois ele costuma ficar escondido. Seja por medo, vergonha ou mesmo falta de diálogo entre o casal. As fantasias sexuais nada mais são do que imaginações referentes ao sexo, nos trazem estímulos para o prazer.

Portanto, não há nada demais em levá-las para a cama de fato – pelo contrário! Elas podem fazer muito bem para sua vida sexual, já que são responsáveis por liberar a criatividade do casal. Além disso, estimulam a sensualidade feminina, elevam a autoestima e quebram a rotina da relação.

Dhoje Interior

As pessoas que conseguem se entregar às fantasias sexuais usufruem de diversos benefícios. Como por exemplo o sexo mais lúdico, erótico e com menos foco nos genitais.

As fantasias contribuem para que as pessoas vivam sua sexualidade de uma forma saudável e natural, quebrando tabus que muitas vezes podem interferir na esfera psicológica, na autoestima e causar até problemas físicos.

1-Aumentam a cumplicidade

É fato: casais que compartilham suas fantasias aumentam a chance de serem mais parceiros. Abrir o jogo sobre o que desejam na cama e o que podem fazer para realizar suas vontades potencializa a cumplicidade. E não só isso: dá asas à criatividade, algo necessário para manter a libido sempre em alta. Homens e mulheres que se dispõem a realizar suas fantasias têm um diálogo de qualidade que nutre o relacionamento e que permite ao par experimentar coisas novas.

2- Tiram o sexo do lugar do comum

Quando se tem fantasias o sexo sempre tende a ser mais quente, já que elas fazem a mente viajar por memórias de vivências eróticas, reais ou imaginárias. A fantasia tem o poder de quebrar a monotonia do cotidiano, tornar as transas mais lúdicas e até de reacender a paixão inicial entre o casal, principalmente nos relacionamentos de longa data.

  1. Satisfazem vontades sem precisar colocar de fato algo em prática

Uma das principais vantagens de cultivar as fantasias sexuais é que elas não precisam, necessariamente, de materialização para tornar qualquer transa mais excitante. E algumas podem ser vivenciadas num plano particular, sem prejudicar o acordo de fidelidade entre o casal. Como? Fechando os olhos e imaginando que está na cama com a Anitta ou o Tom Hiddleston, por exemplo. Ou ainda divagar sobre algum cenário mais estimulante do que o próprio quarto, com pessoas observando. A fantasia tem o poder de nos transportar para um mundo imaginário onde tudo é prazer e emoção, sendo que a satisfação pode se perpetuar no plano da realidade.

  1. Incentivam a imaginação

Principalmente quando a brincadeira escolhida é o Roleplay: o casal se dispõe a interpretar personagens e forjar situações que podem ser bastante excitantes para o momento. Exemplos? Um encarnar o médico e o outro bancar o paciente, um ser um professor e o outro o aluno, um assumir a função de dominar e o outro, de obedecer as ordens… Roleplay é fazer um teatrinho para dar ainda mais prazer na transa, com a possibilidade de usar roupas específicas ou brinquedos eróticos que tenham a ver com o tema. E mesmo se o resultado surgir na forma de risadas, isso já estará fazendo um bem enorme à relação.

  1. Promovem o autoconhecimento e o diálogo

A partir do momento em que um casal conversa a respeito de suas fantasias, podem discutir se querem ou não colocá-las em prática ou se podem realizá-las de alguma forma que satisfaça a ambos. Quem sonha em saber como funciona uma troca de casais, por exemplo, pode ir com o par à uma casa de swing e lá matar a curiosidade. Ao ver outras pessoas em ação, o casal pode se curtir sozinho, sem ter a necessidade de se envolver com mais gente Lá, têm a chance de conversar e escolher o que querem, de fato, e o que podem ou não realizar.

Permitir ao novo eleva o amor e conexão entre o casal

Beijos até a próxima

Mirna Zelioli – Formada em pedagogia e sexóloga em formação e palestrante em vendas. Gestora comercial, sensual coach, empresária do mercado erótico, criadora do projeto SAT (Sexualidade Amor pra Todos), Projeto de Inclusão, projeto CEL (Coragem e Empoderamento e Libertação).