Saque do FGTS vira ‘bônus’ para compras e quita dívidas

FOTO_CLAUDIO_LAHOS

Os trabalhadores nascidos nos meses de setembro e outubro já podem fazer o saque de até R$ 500 do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para não correntistas da Caixa Econômica Federal.

A liberação do benefício começou na última sexta-feira (6). Esse é o penúltimo lote de saques para não correntistas, que totalizam R$ 3,3 bilhões para 62,5 milhões de trabalhadores. No total, incluindo os correntistas da Caixa, os saques imediatos totalizam R$ 40 bilhões nas contas vinculadas ao FGTS.

Dhoje Interior

O saque no valor de até R$ 500 foi liberado em setembro para os correntistas da Caixa, que tiveram o crédito automático em conta. Até o dia 3 de dezembro, já foram sacados 52% do valor total, o que é equivalente a R$ 21 bilhões. O número de trabalhadores beneficiados é de 48 milhões.

A fisioterapeuta Adriely Pereira faz aniversário em agosto e já retirou o valor de R$ 500 do FGTS para fazer as compras neste fim de ano. “Vou usar o dinheiro para comprar os presentes de Natal para a minha família. Vou deixar o 13° para pagar as contas e poupar uma parte, para começar o ano que vem no azul”, conta.

A Caixa antecipou o calendário de saques para não correntistas. Antes, o calendário previa que trabalhadores nascidos de julho a dezembro só fariam os saques no ano que vem. Com a mudança, os trabalhadores que não possuem conta no banco poderão ter acesso ao benefício ainda em 2019. Essa alteração foi possível devido o maior número de operações por meios digitais, o que desafogou o atendimento que era esperado nas agências bancárias. No próximo dia 18, os aniversariantes nos meses de novembro e dezembro terão o direto ao saque imediato.

A data limite para ser realizado é até 31 de março de 2020. Caso a quantia de R$ 500 não seja sacada, o valor retorna para as contas do FGTS, com atualização monetária e juros correspondentes ao período em que estiveram disponíveis ao trabalhador.

O saque imediato não tem relação com o saque-aniversário, que só começa a ser pago em abril de 2020 e abrange contas vinculadas ao FGTS que ainda estão recebendo depósitos do empregador atual e também de contas inativas.

 

Por Vinícius LOPES