Rio Preto:Preparada para dilúvio, obra antienchentes é inaugurada

Iniciada em 2013, as obras antienchentes do Córrego Borá, que custaram R$ 135 milhões, provenientes de recursos da união e parte pelo financiamento da Caixa Econômica, foram entregues oficialmente na tarde de ontem, pelo prefeito Edinho Araújo.
Ao todo, as obras de 5.100m, feita nas Avenidas Juscelino Kubistcheck e Bady Bassitt, vão beneficiar 34 bairros da zona sul de Rio Preto, o que representa 75 mil habitantes da cidade.
Autor do projeto, o engenheiro Pedro Donizete Zacarin, explicou a conclusão da obra. “Foi entregue uma obra antienchentes, que é composta de duas etapas. Uma etapa são lagoas e reservatórios de detenções de água, que temos ao longo do córrego, e as lagoas fora do córrego. Então, esse é o conjunto obras que vai deter a água aqui desta região. E na região da Bady Bassitt, onde a cidade já estava pronta, projetamos um aumento de canal. Não tinha como segurar mais águas, então aumentamos o canal, quase que duplicamos a capacidade de escoamento dele”, disse o engenheiro.
Segundo Zacarin, com a finalização do projeto, o canal está capacitado para receber até 100 milímetros de água por hora, o que, de acordo com o engenheiro, representaria um dilúvio. “Quando você faz um projeto, você tem que imaginar uma chuva forte. Nós imaginamos uma chuva que deve ocorrer a cada 100 anos, um dilúvio. Então, nós já tivemos uma situação dessa aqui em Rio Preto há pouco tempo, no dia 18 de janeiro de 2010 ocorreu uma chuva até mais forte do que o canal foi projetado, mas é uma chuva centenária e que provoca danos. Então, quero que a população entenda que temos que prever alguma coisa e nós prevíamos isso, mas quando vem algo muito grande, não tem jeito, como aconteceu recentemente nos Estados Unidos, que tem toda a infraestrutura. Aqui até 100 milímetros por hora está garantido”, explicou o autor do projeto, que também pediu uma colaboração dos rio-pretenses.
“Mais importante ainda, não adianta fazer tudo isso se você não jogar a água pra dentro daquilo que você projetou. Então, tem as microdrenagens, que projetamos em vários bairros. A microdrenagem corresponde a boca de lobo e linha de tubo. Então, pedimos para toda a população que tenha uma boca de lobo em frente a sua casa, ao invés de jogar sujeira, limpe a boca de lobo, porque ela que vai engolir a água que vai escoar para os canais para não provocar enchente”, finalizou.

Marcelo SCHAFFAUSER – redação Jornal Dhoje Interior

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS