Rio Preto: Conheça os radares campeões de multas

Segundo levantamento da Secretaria do Trânsito, Transporte e Segurança, de janeiro a julho deste ano, 88.562 multas foram aplicadas em Rio Preto. O número, seguindo a estimativa apresentada, atualmente já deve estar próximo da casa das 100 mil multas. No total, os motoristas já desembolsaram R$ 16.465.573,62 no período registrado e, de acordo com o Coordenador de Mobilidade Urbana, Amaury Hernandes, também já superaram o número infrações registradas no ano passado.

“As multas não diminuíram. O que acontece, proporcionalmente, é que também não aumenta, mas Rio Preto teve um aumento de frota de mais de oito mil veículos neste ano. Então, se fizermos o comparativo ano a ano, pode até aumentar, se baseando nos números, mas essa conta deveria ser feita proporcionalmente com a frota de veículos da cidade”, analisa o coordenador.

Os números da Secretaria de Trânsito também apontam que os radares da Avenida da Saudade, com 10.569 infrações, e João Bernardino de Seixas Ribeiro, com 4.256 infrações, entre os meses de julho, agosto e até o momento em setembro, ambos com velocidade máxima de 40km/h, são os que mais flagraram situações irregulares dos motoristas.

“Não tem um motivo especial por ser o que mais multa. É descuido mesmo das pessoas que não prestam atenção nas placas e na sinalização do local e só percebem depois que tomam as multas”, diz Amaury Hernandes.

O coordenador afirma também que todo o valor arrecadado é revertido para o trânsito. Parte para o fundo do trânsito e outra parte para tapar buraco, placas, sinalização, educação no trânsito.

REVERSÃO
O que poucas pessoas sabem é que as multas leves e médias podem ser revertidas em advertências e não precisam ser pagas. Amaury Hernandes explica como deve ser feito o procedimento. “A pessoa pode reverter desde que ela não tenha tomado a mesma multa em um prazo de um ano. Porém, a reversão de multa para advertência só vale para multas leves e médias. Grave e gravíssimas, não. Se ela quiser recorrer precisa ir ao Detran e entrar com um pedido na Secretaria”, finaliza.

Por Marcelo SCHAFFAUSER

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS