Rio Preto: UBS Solo Sagrado adere ao Programa Estratégia Saúde da Família

Desde a última sexta-feira, 30, a Unidade Básica de Saúde (UBS) Solo Sagrado passou a integrar o Programa Estratégia Saúde da Família (ESF), que tem o objetivo de organizar e fortalecer a Atenção Básica, como o primeiro nível de atenção à saúde no SUS. Com a mudança, a Unidade passa de UBS para UBSF – Unidade Básica de Saúde da Família.

Em Rio Preto, das 27 Unidades de Saúde, 17 já são UBSF. “Hoje, nós estamos incluindo a UBS Solo Sagrado no Programa Estratégia Saúde da Família, e, até o final de julho, outras cinco unidades também vão aderir ao Programa”, disse o diretor do Departamento de Atenção Básica, André Baitello. As Unidades que passam a integrar a ESF são: Vila Elvira, Parque Industrial, Santo Antônio, Vetorazzo e Jaguaré.

A mudança segue norma proposta pelo Ministério da Saúde, que, preconiza desde 2009 a alteração do sistema de UBS para UBSF, com incentivo financeiro para os municípios que aderirem ao Programa. Em Rio Preto, a cobertura é de 33%. Com a reorganização, passará a ser de 47,8%. “Das 40 equipes que temos atualmente no Programa Estratégia Saúde da Família, vamos passar para 58, o que será ótimo, pois possibilitará um contato maior da equipe de saúde com o paciente”, disse o secretário da Saúde de Rio Preto, Eleuses Paiva.

Para que a mudança seja efetivada, a Secretaria de Saúde reorganizou os atendimentos, de maneira que médicos, dentistas e enfermeiros participantes do Programa cumpram jornada de 40 horas semanais em uma única Unidade de Saúde. “A partir do momento em que o profissional se fixa em um local, passa a conhecer melhor a comunidade, de maneira que adquire uma maior capacidade de resolver problemas”, disse o secretário.

A ESF prevê ainda a formação de equipes, formadas por: um médico, um enfermeiro, dois auxiliares e/ou técnicos de enfermagem, quatro a seis agentes comunitários de saúde, um dentista e um auxiliar de saúde bucal. Para a implementação da ESF nas seis Unidades de Saúde, estão sendo formadas 18 equipes.

Além disso, a ESF preconiza participação social e cadastramento das famílias, diagnóstico, 85% de resolutividade, atividades na comunidade, envolvimento intersetorial e prontuários familiares. “Cada família terá seu médico e sua equipe de referência, o que faz com que aumente o vínculo médico-paciente e consequentemente melhora o atendimento na Atenção Básica”, disse André Baitello.

Segundo o secretário de Saúde, as estatísticas mostram que os indicadores melhoram muito nas Unidades que aderem ao Programa.  “As taxas de internação, doenças e mortalidade diminuem, as visitas domiciliares aumentam, bem como a cobertura de áreas prioritárias como Hipertensão, Diabetes, além de termos um melhor controle sobre doenças vetoriais como Dengue e Chikungunya”, finalizou o secretário.

Da REDAÇÃO

SEM COMENTÁRIOS