Rio Preto: Três casos de estupro são registrados durante o fim de semana

Três casos de estupro foram registrados durante o final de semana, em Rio Preto. Em dois dos casos, as vítimas eram mulheres maiores de idade, no outro, um familiar teria abusado de uma criança de 5 anos.

Na manhã de segunda-feira (5), no bairro Vila Ercília, uma mulher de 37 anos teria sido estuprada pelo filho de uma amiga.

Segundo o boletim de ocorrência, a mulher passou a noite na casa de uma amiga e, durante a manhã, o filho da mulher entrou na residência e a estuprou.

O caso foi encaminhado para a Delegacia de Defesa da Mulher, onde será investigado.

No outro caso, também envolvendo uma mulher, uma estudante de 22 anos, foi abusada por um homem de 39, na manhã de sábado (10), no bairro Cidade Nova.

Segundo o registro da ocorrência, a vítima estava com a irmã em um bar, quando uma amiga chegou acompanhada do suspeito, de 39 anos, que seria seu amigo.

Quando começou a chover, todos foram para a casa do suspeito, onde ficaram assistindo televisão. A amiga e a irmã da vítima foram dormir em um dos quartos, enquanto a vítima e o suspeito foram dormir em outro quarto.

A vítima relatou à irmã que acordou com o homem passando a mão em suas partes íntimas.

A polícia foi acionada ao local e descobriu que o homem já tinha passagens e era procurado por outros crimes.

O suspeito foi preso em flagrante por estupro e permanece à disposição da Justiça.

O caso de estupro de vulnerável, onde a vítima é uma criança de 5 anos, foi registrado pelo Plantão Policial de Rio Preto, mas será investigado na capital paulista.

O crime teria acontecido na noite de sábado (3), dentro de um carro, no caminho entre São Paulo e Praia Grande.

Segundo o boletim de ocorrência, a família foi até São Paulo para um velório e decidiram ir até o litoral, onde passaram o dia. Durante o trajeto de volta para a capital, a menina contou que um familiar, que estava no carro, ficou acariciando suas partes íntimas.

A criança passou por atendimento médico e psicológico ainda na capital, onde ficou constatado que não houve penetração. No entanto, foi registrado como estupro de vulnerável.

O caso será encaminhado para ser investigado em São Paulo, cidade onde reside o suspeito.

Por Bia Menegildo

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS