Rio Preto pega o Fla para carimbar vaga na segunda fase do Brasileirão

Diferente do primeiro turno, as atacantes Millene (com a bola) e Maiara terão a companhia de Darlene contra o Flamengo

Com 21 pontos, em oito jogos, as meninas do Rio Preto fazem grande campanha e ocupam a vice-liderança do Grupo 2 do Brasileirão Feminino, perdida somente na noite de terça-feira quando o Santos bateu o São José por 4 a 1 e assumiu a ponta provisória da chave.

Nesta quarta-feira (26), a partir das 15h, contra o Flamengo, no estádio da Gávea, no Rio de Janeiro, as rio-pretenses tentam, além de recuperar a liderança do grupo, a classificação antecipada para a segunda fase do Campeonato Brasileiro Feminino, em jogo válido pela 9ª rodada.

Porém, a missão de carimbar a passagem com cinco rodadas de antecedência não será nada fácil. Pela frente, o Rio Preto terá o Flamengo, único time que derrotou as meninas do Verdão no Campeonato Brasileiro.

“O Flamengo é uma equipe que sabemos da qualidade, principalmente no setor de meio-campo. Uma equipe que sabe o que faz dentro de campo. Um time que não consegue seus resultados ao acaso. É um time que cresceu na competição”, disse Jéssica, meio-campista do Rio Preto, sobre as adversárias de logo mais.

Mas, diferente do duelo do primeiro turno quando foi derrotado por 3 a 1, o Rio Preto contará com o reforço da atacante Darlene, artilheira da equipe na competição.

“Agora vale classificação e esse jogo é um jogo chave. Temos como objetivo a vitória, mas sabemos que um empate também não é um mal resultado”, afirmou Jéssica, que apontou os caminhos para o alviverde conquistar os três pontos e carimbar de vez a passagem à segunda fase.

“A gente vai tentar nesse jogo de volta jogar com inteligência e paciência, o que nós não tivemos no jogo em casa”, concluiu a meio-campista.

Sem desfalques, o técnico Francisco Reguera, que não viajou com o time e será substituído pela diretora Doroteia Inojo no banco de reservas, escalou o Rio Preto com: Letícia, Gabi Lira, Di, Simeia e Mari; Suzana, Jéssica e Lelê; Millene, Darlene e Maiara.

Por Marcelo Schaffauser

SEM COMENTÁRIOS