RIO PRETO: Pais iniciam saga para compra do material escolar

Com uma lista em mãos, Ana Paula Joanelli percorria pelos corredores de uma loja de papelaria de Rio Preto, na tarde de ontem, para compras de materiais escolares dos filhos para o ano letivo de 2019. Para economizar, os consumidores devem estar dispostos a bater muita perna e ter muita lábia para pechinchar os preços e não extrapolar o orçamento da família.

Segundo levantamento da Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (ABFIE), a lista material escolar deve ficar até 10% mais cara neste ano, em comparação com o mesmo período do mês de janeiro do ano passado. O reajuste é influenciado pela alta no preço do papel e pelo dólar, que afeta o valor de estojos e mochilas.

“Além do valor, busco qualidade nos itens que preciso comprar para meus dois filhos. Mas, já percebi que o preço subiu. O lápis de cor está mais caro. Então procuro ver em outros lugares os valores e depois comprar. Acaba sendo um pouco mais trabalhoso, mas para economizar é preciso fazer essa pesquisa”, explica Joanelli.

Comércio                                                   

Gerente de uma rede de papelaria e material para escritórios, Alexandre Pereira Ogata, diz que alguns preços foram reajustados. Mesmo assim, o gerente acredita no resultado positivo das vendas e superar o faturamento da loja central do ano passado, de R$ 3 milhões. “Começamos desde dezembro às vendas dos materiais escolares. Temos uma estratégia mais agressiva para superarmos nosso faturamento do ano passado”, diz.

A loja especializada conta com variedade de itens como mochilas, cadernos, estojos, lápis de cor, fichários, papéis, entre outros materiais. O gasto médio na compra dos materiais escolares fica acima dos R$ 300.

Uma campanha adotada pela loja visa reciclagem de cadernos. A cada 1kg de folhas de caderno usado, sem capa e espiral, que o cliente levar até uma das lojas da rede, a empresa concede R$ 1,50 de desconto na compra de novos cadernos. “É uma campanha de conscientização e que concede descontos, além de outros descontos destinados na compra de cadernos que variam de 5 a 15%”, explica Ogata.

No Calçadão, várias lojas já contam com artigos, como mochilas e cadernos ‘chamativos de personagens’, na entrada dos estabelecimentos, para atrair os consumidores e o ‘desejo’ da criançada na compra dos produtos.

Desejo e limites

Acompanhados dos filhos Kauê (de 10 anos) e Kauã (seis), o casal Sidnei da Silva Batista e Mayara Patrícia Rondini estiveram no centro da cidade em busca dos materiais escolares. Os personagens de ‘super-heróis’ nas mochilas e cadernos, atraiam os olhares dos filhos em cada repartição da loja.

“Eles ajudam a escolher aquilo que querem, mas com regras principalmente na questão do preço. A gente acaba levando uma coisa ou outra de acordo com o gosto deles, mas tem que ter limites”, explica Rondini.

Além dos adereços, as mochilas de personagens têm um valor maior no mercado e variam de R$ 129 até R$ 249, dependendo do modelo.

Por Vinícius MAIA.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS