Rio Preto: Operação em combate ao uso de cerol e linhas chilenas é intensificada na região Norte

Apenas no Lealdade e Amizade, a Guarda Civil Municipal apreendeu 60 pipas com cerol e 31 carretéis.

Equipes da Guarda Civil Municipal e da Polícia Militar de Rio Preto realizaram uma operação em combate ao uso de pipas com cerol e linhas chilenas, no último domingo, no bairro Lealdade e Amizade, região Norte da cidade.

Na ação foram apreendidas 60 pipas e 31 carretéis de linhas com material cortante. “Esta operação foi direta neste bairro, porque há muita incidência de pessoas soltando pipas com a prática de utilizar o cerol ou a linha chilena”, explica o assessor da Guarda Civil Municipal, Roger Assis.

As operações são realizadas em conjunto para combater a grande quantidade de pessoas que ficam reunidas, em regiões escolhidas para a soltura das pipas de maneira irregular. “É uma grande aglomeração, por isso que tem ser feita essa ação combinada com a Polícia Militar, equipes da infância e juventude, fiscais do comércio para fazer uma grande ação”, afirma o diretor da Guarda Civil Municipal Sílvio Pedro da Silva.

Durante a chegada das equipes aos locais onde há a concentração de pessoas a fuga é quase sempre imediata. “O pessoal deixa o material e sai correndo. Eles sabem da ilegalidade, pois podem ser multados e até levados à delegacia se houver crime no local, em casos de alguém se machucar”, conta Assis.

A linha cortante é fabricada de maneira artesanal, geralmente, pela própria pessoa que tem o costume de soltar pipas, já a linha chilena é fabricada por indústrias, ela é composta por pó de alumínio e cinco vezes mais cortante que o cerol.

A pessoa que for flagrada soltando pipa com material cortante receberá uma multa no valor de R$ 468, 50. Em caso de reincidência a quantia chega a R$ 937. Em caso de acidente causado pela linha, além da multa, a pessoa responderá criminalmente.

Visando o combate e conscientização desde a infância sobre os perigos do uso do cerol e linhas chilenas, a Guarda Civil Municipal (GCM) realiza nas escolas palestras sobre o assunto. “Nós fazemos as campanhas nas escolas na rede municipal durante o ano. É feita uma palestra com as crianças e entregas de panfletos. Falamos sobre os perigos na rua, perigo de causar acidente ou até mesmo se autolesionar”, afirma Assis.

As fiscalizações são realizadas de maneiras periódicas pelos agentes, já as Operações conjuntas são intensificadas em épocas de férias escolares e no mês de agosto quando aumenta a intensidade dos ventos. “Essas pessoas que soltam pipas combinam nas redes sociais e forma um aglomerado gigantesco. É uma situação orquestrada e por isso a importância de várias equipes no combate” finaliza Silva.

 

Por Mariane Dias

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS