Rio Preto: Funcionários de terceirizada da Prefeitura reivindicam salário atrasado

Funcionários que trabalham como auxiliares de limpeza em escolas municipais, contratados pela empresa Maza, terceirizada pela Prefeitura, se reuniram em frente ao prédio do executivo, na manhã desta terça-feira (14), na para reivindicarem melhorias de trabalho e pagamento do salário atrasado.

“Queremos o nosso pagamento, o nosso vale alimentação, o nosso vale transporte. Os diretores estão pressionando a gente trabalhar, mas não tem lei para eles pressionarem a gente a trabalhar sem pagamento“, conta a auxiliar de limpeza, Tereza Alves.

De acordo com as funcionárias, a empresa Maza atrasa o pagamento e os benefícios desde abril, período em que venceu a licitação para oferecer o serviço à Prefeitura. O pagamento dos funcionários deveria ter sido feito no dia 8 de novembro. E há seis dias os auxiliares de limpeza estão à espera do dinheiro. “Eles atrasam o pagamento, o vale transporte não deposita certo, sempre vem faltando até mesmo pagamento e o FGTS não está sendo depositado”, conta a funcionária Jeanny Tainará Pereira Ribeiro.

O material utilizado para a limpeza das escolas também foi alvo de reclamações, as funcionárias questionaram a respeito da qualidade dos produtos. “Materiais de péssima qualidade, papel higiênico de R$0,50 centavos da pior qualidade, não tinha vassoura”, conta Ribeiro.

O Presidente da SETH (Sindicato dos Empregados em Turismo e Hospitalidade), Sérgio da Silva Paranhos, esteve no gabinete do Prefeito para discutir as reivindicações dos servidores com Prefeito. “Esta empresa desde que iniciou seus trabalhos ela já começou a dar problemas, primeiro atrasando a entrega do ticket refeição, atraso dos salários, além disso, a empresa não estava pagando a insalubridade aos funcionários. O sindicato notificou a empresa e a Prefeitura, pois a Maza estava deixando de cumprir com suas obrigações”, conta.

Após reunião com o Prefeito e três representantes das funcionárias terceirizadas, a Secretaria da Educação Sueli Costa disse que a empresa foi notificada e tem cinco dias úteis para se posicionar. “A Prefeitura vai pagar os 22 dias trabalhados porque é o saldo que seria repassado para empresa terceirizada, por isso,  será fornecido aos funcionários, como eles estão sem passe para o vale transporte, será dado dez passes para trabalhar os cinco dias. E neste período com a rescisão contratual entra a próxima empresa que começa a partir do dia 23 deste mês”, conclui.

Além de pedir melhorias ao Prefeito Edinho Araújo, as funcionárias foram ao Ministério do Trabalho apresentar as reivindicações. “Fizemos uma pauta e vamos ao cartório reconhecer firma e vamos entregar no Ministério do Trabalho”, finaliza Ribeiro.

NOTA À IMPRENSA

A Prefeitura de Rio Preto, por meio da Secretaria Municipal de Educação, comunica que adotou todas as providências para garantir o pagamento dos salários dos funcionários da Maza Comercial Ltda. EPP, no dia 22, pelos dias trabalhados entre 01 e 22 de novembro. Na mesma data vencerá o prazo estabelecido por lei para que a empresa apresente o contraditório à notificação emitida pelo Município no dia 10 passado, pelo não cumprimento do estabelecido no contrato entre as duas partes. A Maza, apesar de haver recebido a nota fiscal referente aos serviços prestados em outubro, não efetuou os pagamentos dos salários aos 457 funcionários no quinto dia útil do mês, bem como nos dias subsequentes.

Ao mesmo tempo, a Prefeitura vai disponibilizar passes do transporte urbano para que os funcionários possam ter acesso aos postos de trabalho até o dia 22 de novembro, uma vez que a Maza também não efetuou os créditos correspondentes ao período. Os funcionários deverão apresentar o cartão do vale transporte e um documento de identidade com foto no Terminal Urbano Central para que o mesmo receba a carga correspondente. Os que não tiverem o cartão do vale transporte deverão apresentar o documento pessoal para o recebimento dos passes.

As medidas foram adotadas em reunião realizada pelo prefeito Edinho Araújo com secretários municipais, assessores, uma comissão de funcionários e representantes do SETH, sindicato que representa a categoria. Tiveram como finalidade garantir parte dos direitos dos trabalhadores em função da falta de recebimento dos salários do mês de outubro.

A Prefeitura de Rio Preto já adotou as medidas determinadas em lei para a rescindir unilateralmente o contrato com a Maza, para transferir os serviços para uma nova empresa e manter, assim, o perfeito funcionamento das escolas.

 

Prefeito ouviu as reivindicações dos funcionários, na manhã desta terça-feira, em seu gabinete.

Por Mariane Dias

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS