Rio Preto encerra 2017 com menor registro positivo de dengue em cinco anos

Rio Preto registrou em 2017 o menor número de casos de dengue dos últimos cinco anos: foram 552 casos positivos da doença. Em 2012, o município confirmou 483 casos. No entanto, em 2017, Rio Preto não registrou óbitos em decorrência da dengue, o que não acontecia desde 2009.

Em comparação com 2016, o município teve uma queda de 96,5% nos casos de dengue. Foram 16.216 casos da doença e dois óbitos. Em 2017, além dos 552 casos confirmados, 176 ainda estão sendo investigados e 2.431 já foram descartados. Para o secretário da saúde, Aldenis Borim, os dados são resultado do trabalho intersetorial realizado durante todo o ano. Os dados completos de 2017 podem ser acessados neste link.

Entre as ações estão o aumento do número de vistorias em imóveis através de campanhas com trabalho aos sábados, totalizando mais de 222 mil imóveis visitados, para eliminação de criadouros do mosquito transmissor dessas doenças. A campanha municipal “Rio Preto contra o Aedes aegypti”, criada pela Lei 12.728, de 8 de junho de 2017, realizada em 24 de junho e em todos os sábados de julho, bem como nos dias 5 e 12 de agosto visitou mais de 55 mil imóveis. No caso da campanha estadual “Todos juntos Contra o Aedes”, entre janeiro e abril, e entre outubro e novembro, foram visitados mais de 167 mil imóveis. Houve ainda ações em duas etapas do projeto “Cidade Limpa”, em março e maio, totalizando cobertura de aproximadamente 80% da área urbana da Cidade e retirada de mais de 650 toneladas de material inservível, dos quais mais de 23 toneladas foram direcionadas para a Cooperlagos.

Em relação ao Zika vírus, em 2017, Rio Preto confirmou 36 casos da doença. Outros quatro ainda estão sendo investigados e 90 já foram descartados. Já em relação à Chikungunya foram 14 casos confirmados, 67 descartados e dois estão em investigação.

Em janeiro de 2017, o que preocupou o município foi um possível surto de febre amarela devido à morte de um macaco que teve a doença confirmada. Entretanto, ao longo do ano, nenhum outro caso da doença foi registrado nos animais e em humanos. Para isso, a prefeitura de Rio Preto fez campanha pela vacinação. Somente em 2017 foram 58.803 doses aplicadas.

“O saldo é positivo, pois não tivemos casos em humanos por causa da cobertura vacinal, que é em torno de 90% em Rio Preto”, diz o secretário.

A vacina para febre amarela está disponível nas 27 unidades de saúde de Rio Preto e atualmente é aplicada em dose única. Pessoas com idade acima de 9 meses podem tomar a vacina. A restrição é para quem tem alergia a ovo, quem está fazendo tratamento com imunossupressores, grávidas e mulheres que estão amamentando bebês com menos de 6 meses.

Outro saldo positivo de Rio Preto na saúde em 2017 foi em relação à gripe H1N1. Durante o ano, o município não registrou casos de síndrome respiratória grave pela doença.

 Da REDAÇÃO

SEM COMENTÁRIOS