Rio Preto: Comerciários reprovam projeto de horário flexível no comércio

Depois de protestos na última sessão da Câmara, na terça-feira, o DHoje foi às ruas do centro ouvir os comerciários sobre o projeto protocolado pelo vereador Paulo Pauléra (PP), que permite a flexibilização do horário de trabalho em comércios, empresas e indústrias.
No geral, a opinião dos entrevistados, a princípio, é contrária ao projeto, já que falta de estrutura, segurança, transporte e até a convivência com a família foram citados.

Camila Pio Aprile, balconista, há cinco meses trabalha no centro, disse que o projeto não iria beneficiar a vida dela. “Atrapalharia muito a minha vida. Que horas eu vou ter para estar com meus filhos”, questionou.

Guilherme Ferreira, vendedor, 19 anos, há sete meses trabalhando no centro, também desaprovou o projeto. “Não acho legal. A gente trabalha no centro e vê o movimento como é. Pegar ônibus à noite, ser roubado, não tem estrutura para isso”, afirmou.

O também vendedor Guilherme Henrique, 29 anos, que trabalha no centro desde 2013, também se mostrou contrário ao projeto, diz que para dar certo o calçadão teria que ser totalmente revitalizado. “Teria que acabar com aquela praça, onde o pessoal se droga, fazer um estacionamento, revitalizar mesmo, porque, por exemplo, no último Natal não teve um atrativo para o centro. Então, está complicado para o comércio, à tarde já é complicado, perigoso, imagina sair à noite”, afirmou.

 

Por Marcelo SCHAFFAUSER

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS