Rio Preto: Cadastramento biométrico alcança 20% do eleitorado

Até o final de dezembro do ano passado 61.260 eleitores já tinham sido cadastrados na cidade. A chefe de cartório de Rio Preto, Renata Kfouri, são atendidas diariamente 300 pessoas. Apesar da quantidade estar dentro da meta, é importante ressaltar que para as eleições deste ano ainda não será obrigatório o voto por meio da biometria.

Atualmente cerca de 20% do eleitorado de Rio Preto já fez o cadastramento biométrico nos cartórios eleitorais do município. Até o final de dezembro do ano passado 61.260 eleitores já tinham sido cadastrados na cidade. É importante destacar que para as eleições deste ano ainda não será obrigatório o voto por meio da biometria, tendo os cidadãos tempo de sobra para se programar e efetuar o cadastro, que deverá ser obrigatório a partir das eleições de 2020.

De acordo com a chefe de cartório em Rio Preto, Renata Kfouri, são atendidas diariamente uma média 300 pessoas nos cartórios eleitorais para fazer este cadastro. Ela explica que os atendimentos feitos são previamente agendados pelo site do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) – em www.tre-sp.jus.br. “O eleitor deve entrar no site do TRE e agendar o cadastramento biométrico. Estamos atendendo em média 300 pessoas por dia, mas isso certamente aumentará até o final do alistamento. Mas lembrando que ainda não será exigido o cadastro biométrico para a próxima eleição”, comentou Kfouri.

Atualmente a cidade possui 319.635 eleitores e o número de cadastros já realizados é considerado pouco, porém o Estado de São Paulo apresenta índices gerais que são considerados dentro da meta, com 21,80% do cadastramento já realizado, totalizando 654.134 cadastramentos biométricos no Estado. A meta para este ano é realizar três milhões de cadastros, sendo que são 32.784.781 eleitores paulistas.

O projeto de identificação biométrica da Justiça Eleitoral visa implantar no país a identificação e verificação biométrica da impressão digital para garantir que o eleitor seja único no cadastro eleitoral e que ao se apresentar para o exercício do voto, seja o mesmo que se habilitou no alistamento eleitoral.

Após o casamento, a dona de casa Caroline dos Santos Rafael, aproveitou que iria fazer a atualização dos dados e fez também o cadastro biométrico. “Eu aproveitei e já fiz a biometria para não deixar de última hora. Além da urna que eu acredito ser segura, a biometria será mais uma coisa segura nas eleições”, concluiu.

 

Por Priscila Carvalho

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS