Rio Preto atenderá 600 mil habitantes com ampliação de tratamento de esgoto

evento - Estiveram presente o prefeito Edinho Araújo e o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes

O prefeito Edinho Araújo, o ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes, e o superintendente do Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto (Semae), Nicanor Batista, assinaram na tarde de ontem, a Autorização para Início de Objeto (AIO) para a ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do município.

Os R$ 45,5 milhões foram repassados pelo Governo Federal por meio do Ministério das Cidades e Semae para ampliação da capacidade de tratamento do esgoto do município. O principal objetivo é aumentar a capacidade. Atualmente, o tratamento de esgoto chega a 450 mil habitantes, com essa ampliação, passará para 600 mil pessoas.

Segundo a gerente de planejamento da autarquia, Ceci Bueno, a ETE foi planejada e dividida em quatro módulos. Com a ampliação será construído o último. “Inicialmente nós fizemos a ETE em 2008, com três quartos da obra para atender a uma população de até 450 mil habitantes, com a ampliação iremos atender 600 mil habitantes”, finaliza.

Assim que as obras forem finalizadas, o Distrito de Talhado também será atendido. De acordo com a gerente de planejamento do Semae, será construída uma elevatória próxima ao Distrito que reverterá todo o esgoto para Rio Preto para ser tratado na ETE. “Talhado será atendido e pensamos também nos bairro que estão em processo de regularização, com está ampliação iremos atender toda a população”, conclui Ceci.

O Prefeito Edinho Araújo, afirma que atualmente a população de Rio Preto está bem abastecida na questão água e tratamento de esgoto. O objetivo da ampliação da ETE é um passo para o futuro com uma capacidade para atender 600 mil habitantes. “É preciso projetar o futuro para que possamos atrair mais empresas e novos moradores com esta ampliação todos possam ter este atendimento regular e de qualidade.”

O Ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes, salienta a importância do tratamento de esgoto para as pessoas. “Um sistema de saneamento deficiente provoca doenças parasitárias, doenças infecciosas, crianças que brincam no meio de esgoto existe muito ainda no Brasil. Todos os vetores estão em água parada e contaminada e, em Rio Preto estamos com esta obra criando uma situação para que a cidade tenha total cobertura de saneamento básico água e esgoto tratado”, finaliza.

 

Por Mariane DIAS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS