Rio Preto: Agente de viagens preso por roubo é condenado no golpe da cerveja

Um homem foi condenado a cumprir pena de dois anos de reclusão depois de ter aplicado o golpe da cerveja, o falso cliente entrou em um bar e mercearia do Parque Industrial em agosto de 2016 pediu 48 garrafas de cerveja e não voltou para pagar a conta.

O casal de idosos que são proprietários do comércio tiveram um prejuízo no valor de R$ 306, um deles contou ao juiz da 3º Vara Criminal Eduardo Garcia Albuquerque que precisou deixar o bar na responsabilidade da esposa que atendia os clientes.

Quando voltou; a mulher disse que o réu Juliano Cesar Lima da Silva de 38 anos negociou duas dúzias de bebidas incluindo os vasilhames e foi guardar a mercadoria dentro carro junto com o filho dos proprietários, ele disse a vendedora que esqueceu o cartão e que logo retornaria para quitar a dívida, mas não voltou.

Pelas câmeras de segurança a dono da mercadoria identificou o homem e foi até a casa dele que disse não ter dinheiro naquele momento e reafirmou que iria pagar o comerciante.

Em audiência o homem acusado admitiu que não tinha como pagar e que saiu da mercearia porque o sogro dele havia falecido.

Pouco depois descobriu-se que a cerveja adquirida fraudulentamente pelo réu no estabelecimento do casal de idosos, era revendida no bar de sua propriedade e que está arrependido.

Além da condenação por estelionato possui passagens de crime de receptação e que não é usuário de drogas, justificou que soube da dívida em aberto depois que retornou de viagem a trabalho, e que uma terceira pessoa ficou encarregada de pagar a cerveja.

“Patente, portanto, a ideia preconcebida do réu na obtenção de vantagem ilícita em face da vítima, consubstanciada na mentira utilizada pelo agente, idônea a enganá-la”, diz o magistrado.

O regime inicial de cumprimento de pena é o semiaberto e a decisão de primeiro grau pode ser recorrida em segunda instância. Juliano Cesar Lima da Silva que é agente de viagens continua preso há dois por roubo numa cela do Centro de Detenção Provisória de Rio Preto.

 DA REPORTAGEM:

Colaborou: Guilherme Ramos, às 19h37

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS