Remédios para tratar dengue têm aumento de 40% nas vendas

Foto: Cláudio Lahos

Com o aumento de casos de dengue em Rio Preto, as vendas de remédios para tratar a doença aumentaram, em média, 40% desde janeiro deste ano. Medicamentos como Dipirona e Paracetamol, além dos recomendados repelentes, têm sido os mais procurados nas prateleiras.

Além desses remédios que são os indicados por médicos, o soro para a hidratação também tem tido um aumento expressivo nas vendas, já que a moléstia causa casos de extrema desidratação nos pacientes.

A alta procura por esses produtos começou há quatro meses e mantêm o ritmo até hoje, segundo vendedores e proprietários de farmácias.

Por diversos valores os consumidores podem adquirir os medicamentos que auxiliam na recuperação da dengue. Atualmente, repelentes que são usados para evitar a picada do Aedes aegypti, mosquito que também transmite a chikungunya e zika, são encontrado nas prateleiras com valores que variam de R$ 15 a R$ 70. Já a Dipirona pode ser comprada a partir de R$ 3.

Luana Oliveira trabalha na mesma farmácia há dois anos e conta que é surpreendente a demanda de remédios nos últimos meses. “Posso afirmar que esses medicamentos tiveram um crescimento de 40% se comparado ao mês de janeiro, que foi quando as vendas começaram a aumentar”, contou a farmacêutica.

Apesar da praticidade de ir até uma farmácia e se medicar sem pegar filas, o recomendado é que todos os remédios sejam tomados com prescrição médica. Remédios como aspirinas e receitas caseiras não devem ser tomados em hipótese alguma por um paciente com dengue.

A farmacêutica Angélica Martinez, na profissão há 10 anos, se diz cada vez mais surpresa com os números da doença e como ela se apresenta diferentemente em cada organismo.
Segundo a profissional, alguns casos apresentam menos sintomas que o comum. “Pelo fato da dengue se apresentar de diversas maneiras, que não podemos medicar por conta própria aqui no balcão de farmácia. Não podemos saber o nível da doença no corpo de paciente e a dengue se mal medicada pode levar ao óbito”, explica Angélica.

VENDAS TRIPLICADAS

A alta demanda na farmácia onde Mariana Marques é diretora administrativa já triplicou as vendas, em comparação com o ano passado.

“No mês de janeiro vendemos exatas 71 cartelas de Dipirona, já em abril foram vendidas 234 cartelas do medicamento. Sabemos que nesse intervalo tivemos a epidemia da dengue, sem dúvida as vendas estão muito acima do normal”, finaliza.

Colaborou Thais LOBATO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS