Queimadas já provocaram 34 interrupções de energia

Foto: Cláudio Lahos

Além de todos os danos ambientais que as queimadas vêm causando por todo o país nos últimos meses, essa prática também tem trazido transtorno para o fornecimento de energia em diversos municípios atendidos pela CPFL Paulista. Um levantamento feito pelo Centro de Operações da distribuidora mostra que em 64% das cidades da sua área de atuação (151) tiveram interrupções causadas por queimadas.

Os registros chegam a 948 casos entre os meses de junho e agosto de 2020 e preocupam. Na região de Araçatuba e São José do Rio Preto, foram contabilizadas 112 interrupções no fornecimento de energia causadas por queimadas, uma média de nove por semana. Das 49 cidades atendidas pela companhia, 23 tiveram clientes afetados pelos efeitos das queimadas na rede de transmissão e distribuição de energia.

Dhoje Interior

Entre os 10 municípios com mais interrupções na região entre junho e agosto, Rio Preto registrou 34 ocorrências, ficando em primeiro lugar. Araçatuba ocupa a segunda posição com 19 casos e Penápolis é o terceiro da lista com 8 registros

“É importante a conscientização da população e dos produtores agrícolas, pois os incêndios sob a rede de distribuição de energia são, muitas vezes, causados pelo uso do fogo como método de poda de algumas plantações. O impacto das queimadas é maior ainda quando acontecem sob as linhas de transmissão, responsáveis pelo abastecimento de regiões inteiras”, alerta Rodrigo de Vasconcelos Bianchi, gerente de Operações de Campo, da CPFL Paulista.

Transtornos à população. Quando uma queimada é realizada sem a autorização dos órgãos ambientais competentes e de forma irresponsável, o fogo muitas vezes sai do controle e atinge áreas habitadas, de preservação e redes de transmissão e distribuição de energia. Nesses casos, o fornecimento fica prejudicado, causando transtornos aos clientes da CPFL Paulista.

Nessas situações, o trabalho das equipes de manutenção da companhia fica dificultado por conta do fogo, que precisa ser combatido pelos bombeiros para que os trabalhos possam ser iniciados. Dependendo da queimada, esse combate às chamas pode levar horas, elevando ainda mais o tempo que a população fica sem energia e os eletricistas sem poder reparar a rede por motivos de segurança.

Da REDAÇÃO