Psoríase: doença pode afetar outros órgãos além da pele

Diagnosticado com psoríase, Antônio de Souza Costa fala sobre a rotima com a doença

A psoríase é uma doença que assusta muita gente, pode afetar a autoestima, relacionamentos e a vida profissional, acomete atualmente mais de cinco milhões de brasileiros. Segundo pesquisa divulgada pela associação Psoríase Brasil, cerca de 81% dos pacientes com essa doença tem a autoestima afetada.

A disfunção é caracterizada pelo aparecimento de lesões avermelhadas e descamativas, sendo que a psoríase é uma doença inflamatória crônica que afeta a pele, cotovelos, couro cabeludo, joelhos e unhas. A médica dermatologista Ana Luiza Magnabosco de Mathias explica que a psoríase é uma doença sistêmica.

“Além da pele, a gente considera hoje a psoríase uma doença sistêmica que acomete outros órgãos, principalmente as articulações, causando quadros de artrite que a gente denomina artrite psoriásica; como também ela tem uma associação importante com o que chamamos de síndrome metabólica, caracterizada pelo aumento da pressão alta e alteração da glicemia e colesterol. Hoje não é mais só uma doença de pele”, ressaltou.

As causas da psoríase são desconhecidas, mas a medicina relaciona ao sistema imunológico, às interações com o meio ambiente e à suscetibilidade genética. A dermatologista comenta que a doença afeta geralmente pessoas adultas, em torno dos 40 anos. “Tem vários fatores que aumentam a chance da pessoa ter psoríase. O principal é o fator genético, se tem algum familiar com psoríase, aumenta a chance de ter. A doença acomete mais os caucasianos e não é tão comum em pessoas negras”, disse. É importante destacar que a psoríase não é uma doença contagiosa e por isso não é necessário evitar o contato com quem tem a doença.

O tratamento é essencial para controlar a doença, que não tem cura, mas pode ser controlada e contribuir com a melhora na qualidade de vida do paciente. “O tratamento varia de acordo com o quadro de extensão na pele. Se for lesão localizada trata através de pomadas e cremes, se for um quadro mais extenso na pele ou acomete articulações, é necessário entrar com medicamentos tanto orais como injetáveis e até mesmo o banho de luz (fototerapia)”.

Há cerca de quatro meses, Antônio de Sousa Costa vem tratando da doença com pomadas manipuladas e comprimidos, além dos remédios também é necessário fazer exame de sangue periodicamente. As partes afetadas do corpo foram braços, pernas e costas. “Com o tratamento hoje eu considero que estou com 95% do problema resolvido”, vibrou.

Alguns fatores como alimentação balanceada, prática de atividade física, aliado ao controle adequado de outros fatores clínicos ajudam na melhora dos sintomas da psoríase. “É importante lembrar que a psoríase pode ter um impacto significativo na qualidade de vida e na autoestima do paciente. E o estresse do dia a dia pode agravar a doença. Assim, o acompanhamento com um médico dermatologista é de fundamental importância para o controle da doença e o bem-estar do paciente”, finaliza a médica.

 

Por Priscila Carvalho

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS