Professores das escolas estaduais de Rio Preto estudam adesão à greve geral

Movimentos sociais têm protestado contra governo federal (Foto: Ygor Andrade)

Representantes da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) de Rio Preto se reuniram nesta quinta-feira (6) com os representadas das escolas estaduais para programar a adesão dos professores à greve geral dos trabalhadores, de âmbito nacional, marcada para o dia 14 de junho. A paralisação tem como objetivo se manifestar contra a reforma da Previdência encaminhada ao congresso pelo presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com informações de representantes da Apeoesp, em reunião com os representantes das escolas estaduais rio-pretenses foi decidido que vai ser realizada uma concentração regional na data. Eles não vão para São Paulo, embora lá também está prevista manifestação.

Aqui em Rio Preto, os professores estaduais vão se reunir em frente ao prédio SPPreve (São Paulo Previdência). De lá, às 8h, eles vão se juntar com outros trabalhadores em frente ao Terminal Rodoviário. Por fim, seguem em caminhada até o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), onde vão encontrar com outros trabalhadores também em greve.

Na reunião desta quinta, as informações foram passadas para os representantes das escolas e agora o sindicato aguarda a informação das escolas que vão aderir à paralisação. Os representantes têm até o dia 13 de junho para dizer se vão ou não aderir à greve geral dos trabalhadores, a partir daí o sindicato consegue traçar um panorama das escolas que vão participar e as porcentagens.

A reportagem entrou em contato com a Atem (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Municipal) de Rio Preto. Conforme o representante, a entidade pretende realizar uma assembleia na semana que vem para decidir se adere ou não ao movimento grevista.

Por Leandro BRITO

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS