Procon alerta sobre o direito dos consumidores para aproveitar as compras

Muitos consumidores estão contando os dias para aproveitar os descontos com chegada do Black Friday, que acontece na última sexta-feira de novembro, 24. O evento chegou oficialmente no país em 2011 e no ano passado, atingiu R$ 1.9 bilhões em vendas em todo o Brasil, de acordo com o site oficial do evento.

A data é conhecida pela venda de milhares de produtos com preços promocionais e descontos que chegam a mais de 50% do valor, o que acaba chamando a atenção do cliente. Também é nesta data que estelionatários entram em ação, seja por trás de sites, links de vendas pelas redes sociais, ligações telefônicas e até mesmo estabelecimentos com endereços físicos. Para que o consumidor não caia em ciladas nestas compras, o Procon de Rio Preto preparou algumas dicas importantes.

Dhoje Interior

Primeiramente é necessário que o consumidor priorize suas reais necessidades, para que não fuja do foco e não comprometa seu orçamento com compras extras. Depois do planejamento, ele pode acompanhar pelo site oficial da loja, antes da promoção, os preços dos produtos desejados e identificar se realmente houve um bom desconto no valor da mercadoria e se vale a pena efetuar a compra.

Verificar a procedência dos sites não recomendados no Procon ou procurar indicações também ajuda e muito a não cair em golpes. Além disso, a Fundação Procon-SP, disponibiliza em seu site uma lista com as empresas que mais receberam reclamações nos últimos meses. Não comprar nesses estabelecimentos pode evitar futuras dores de cabeça.

“Vale lembrar que os direitos do consumidor em relação ao produto adquirido na Black Friday são basicamente os mesmos de uma compra em qualquer outra data do ano”, afirma Arnaldo Vieira, diretor do Procon de Rio Preto. Ainda segundo Vieira, caso o consumidor encontre qualquer prática ilegal do comércio na Black Friday, deve procurar o Procon e registrar a queixa.

A auxiliar administrativo Esther Pereira, 20 anos, já pesquisa em lojas e sites o preços de camas e colchões. “Estive pesquisando e vi que os preços estão em torno de R$ 700. Só vou comprar se tiver abaixo disso. O resto, eu vou guardar para os gastos no começo do ano, quando chega as piores contas”, explicou.

“Não pesquisei, mas economizei cerca de R$ 1,5 mil durante o ano todo para comprar um guarda-roupa. Vou sair de casa para ver o que consigo economizar no dia. Se gastar menos que isso, sairei no lucro”, contou a nutricionista Bruna Ramos, de 26 anos.
Ninguém sabe dizer ao certo qual a origem exata do nome Black Friday. Há quem diga que a expressão “Sexta-feira Negra” (Black Friday) nasceu no final do século XIX após duas instituições financeiras terem quebrado no mesmo dia em plena corrida do ouro. Coincidentemente, em uma sexta-feira.

Outra teoria conhecida é que o termo foi criado por policiais da Filadélfia na década de 60 para se referir ao dia após o feriado do Dia de Ação de Graças em que o trânsito se tornou um caos. Graças a isso, surgiu então uma grande oportunidade de venda para os lojistas que se aproveitavam disso e faziam diversas promoções para atrair quem passasse por lá.

 

Da Reportagem