Prepare o bolso! Semae estuda reajuste de até 15%

Autarquia prepara estudo e pede reajuste das tarifas para continuar com os serviços. Aumento depende de aprovação do prefeito Edinho Araújo.

O Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto (Semae), prepara reajuste na tarifa de água de até 15%. O superintendente e presidente do conselho da autarquia, Nicanor Batista Júnior, nomeou ontem, comissão para realizar estudo sobre o aumento. A decisão sobre o reajuste fica a cargo do prefeito Edinho Araújo.

O superintendente do Semae disse que os 16 conselheiros, que fazem parte de entidades da cidade, além de secretarias que compõem o conselho por força de Lei Municipal, fizeram um estudo sobre a atualização da tarifa de água e esgoto e, segundo os números, existe uma defasagem por conta na não aplicação do IPCA nos últimos oito anos.

“Isso tem provocado um déficit anual no Semae muito grande e, consequentemente como as despesas não deixam de crescer e crescem acima da inflação, o Semae perdeu gradativamente a sua capacidade de investimento. Os investimentos são necessários para garantir, no mínimo, o crescimento vegetativo da cidade. Se não tivermos a responsabilidade de enfrentar esta questão teremos déficit, sucateamento da máquina, que pode levar ao comprometimento do pagamento da folha do 13º salário no final do ano.”

O conselho pede a atualização do IPCA dos últimos três anos, para recuperar a capacidade de investimento, o que geraria impacto ao consumidor entre 15,5% e 16%, só atualizando o que foi perdido. Nicanor destaca que mesmo com o reajuste, os valores não chegam aos números que constam na Lei Orçamentária. “Temos uma Lei Orçamentária da gestão passada com R$ 210 milhões e, mesmo com todas as ações previstas, os valores não devem chegar a R$ 185 milhões. A receita que temos nos dois primeiros meses é insuficiente para fazer frente às despesas que temos.”

Agora o estudo segue para o prefeito Edinho Araújo, que vai decidir ou não pelo aumento da tarifa. A previsão é que, caso aprovado o reajuste, as contas fiquem mais pesadas no final de maio.

 

Por Jaqueline Barros

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS