Prefeitura de Rio Preto muda motoristas do SAMU para economizar R$1 milhão por ano

Os 48 motoristas-socorristas do Serviço de Atendimento de Urgência (SAMU) e da Central de Remoção de Rio Preto, que prestavam serviço para a empresa Luma-Trevisan permanecem no cargo até o próximo dia 31 de agosto.

De acordo com o secretário de saúde, Aldenis Borim, o contrato nunca foi do município. “Os profissionais eram contratos do Hospital Ielar, sob a gestão da Prefeitura, que apenas repassava o valor dos serviços para o hospital. Após o fechamento da unidade, em 2017, nós passamos esse serviço, de forma emergencial, para o Hospital de Base. Foi nessa troca que observamos o quanto o valor do contrato era alto. Tentamos diversas vezes dialogar com a empresa para diminuir os valores, mas não chegamos a um acordo”, explicou Aldenis.

A empresa Luma-Trevisan, que mantinha os contratos dos motoristas-socorristas do SAMU, cobrava R$450 mil reais por mês pela prestação de serviço dos 48 motoristas e 1 cargo de chefia.

Agora a empresa Staffs, vencedora do processo licitatório aberto em maio, assumi os trabalhos já no próximo dia 23 de agosto. O custo apresentado pela empresa atual foi de R$360 mil/mês para 53 profissionais, cinco a mais do que o contrato anterior.

“A diferença dos valores apresentados é importante para que o Município possa investir na saúde. Se somarmos a economia mensal de R$90.045,01, teremos em 12 meses mais de R$1 milhão de saldo positivo”, destacou o secretario de Saúde.

Por conta de normas da CLT, os funcionários que estão sendo dispensados não podem ser recontratados para a mesma função antes de 120 dias, ou seja, quatro meses.

Os valores apresentados pela empresa Staffs, segundo o Dr. Aldenis foram abaixo dos praticados pela LUMA por conta de acordo sindical diferenciado. Todos os funcionários estão filiados ao sindicato da categoria, Sindicato dos Condutores de Veículos Rodoviários e Anexos de Rio Preto e seguem as normas estabelecidas pela categoria.

Os novos motoristas-socorristas assumem os trabalhos já no dia 23 de agosto e, durante oito dias as duas equipes estarão juntas para troca de protocolo do SAMU. A jornada de trabalho é de 12/36 horas, com equipes em escala 24 horas por dia. A prefeitura garante que o serviço à população não será prejudicado.

Por Jaqueline BARROS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS