Polícia soluciona assassinato de caseiro em Rio Preto

DIG - Delegado Dr. Alceu Lima de Oliveira Junior

A DIG (Delegacia de Investigações Gerais) solucionou o crime do caseiro Juliano Bravalheri, assassinado no dia 2 de fevereiro, na residência em que ele morava. Após investigações, a polícia chegou à conclusão de que a assassina era a mulher da vítima, conhecida como Lucimara Luzia.

Em coletiva de imprensa, o delegado Dr. Alceu Lima de Oliveira Junior, relatou que a polícia suspeitava que o assassino tivesse algum sentimento pela vítima. “Desde o começo, a gente suspeitava que a pessoa que matou o caseiro, tivesse algum tipo de sentimento, pois logo após o crime, foi deixado em um pano no rosto da vítima”, afirma o delegado.

Mesmo confessando o crime, Lucimara negou que ela tenha matado marido. Ela afirma ter contratado uma pessoa para fazer isso. Mas quando questionada pela polícia, a mulher relatou não conhecer a pessoa contratada. A DIG não acredita nessa versão, “Temos imagens da mulher saindo da casa no dia do crime”, completa o delegado.

A mulher alegou a polícia, que havia sido agredida pela vítima anteriormente, causando cegueira nela, sendo isso o que a motivou a cometer esse crime.

Ainda de acordo com informações do Dr. Alceu, no dia do crime, a mulher deu de três a cinco comprimidos de calmante diluídos em um xícara de café ao marido. “Isso se torna um agravante, pois impossibilitou a vítima de ter uma reação”, disse o delegado.
Lucimara foi presa na tarde de quarta-feira (18) enquanto ia buscar a filha na escola. A mulher vai ser indiciada nesta quinta-feira (19) e em seguida transferida para a Cadeia Pública de Nhandeara.

Entenda o caso
Caseiro de 35 anos foi encontrado morto com fraturas no maxilar e afundamento de crânio, na madrugada de sexta-feira (2) em fevereiro, em um sítio próximo à vicinal Alcides Augusto Avila, em Rio Preto.

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima foi encontrada já sem vida pelos cunhados deitado na cama, com um pano preto no rosto, coberto de sangue. Os policiais encontraram a vítima na sala da residência e acordo com os cunhados, eles teriam tentado reanimar o caseiro. (Colaborou Leo BIGOTTO CARON)

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS