Polícia Civil mira pedófilo, em Rio Preto, em sexta fase da Operação Luz na Infância

 

Policiais do Grupo de Operações Especiais (GOE) prenderam na manhã desta terça-feira (18), um homem, GMDS, de 22 anos, no bairro Solo Sagrado, em Rio Preto, durante a Operação Luz na Infância que tem o objetivo combater autores de crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes.

Dhoje Interior

A busca aos pedófilos faz parte da 6ª fase da Operação Luz na Infância, sob coordenação do Ministério da Justiça e foi realizada em 12 estado brasileiros ao todo foi expedido 112 mandos. Desde o início da Operação, em outubro de 2017, já foram expedidos 1217 mandados de busca e apreensão contra suspeitos de pedofilia, em todo o país.

Somente, no estado de São Paulo foram cumpridos 58 mandados de busca e apreensão, entre eles uma prisão foi realizada, no noroeste paulista, em Rio Preto.

“O que nós notamos desta vez é que houve uma redução de locais para se executar os mandados de busca pela Seccional de Rio Preto. A medida que essa prática é veiculada pela imprensa  as pessoas tendem a parar”, disse o delegado do Grupo de Operações Especiais (GOE), Alexandre Del Nero Arid.

As equipes policiais chegaram à casa do rapaz ainda pela manhã, uma CPU, dois pen drives e um celular foram apreendidos, “foram encontradas, em um pen drive, cenas de vídeos e fotos contendo sexo pornografia infantil das mais diversas formas e das mais diversas idades também”, disse Arid.

O jovem foi apreendido e encaminhado até a Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), onde foi preso em flagrante, “eu deliberei pelo auto de prisão em flagrante pela prática da infração do crime. Como ficou comprovado que ele tinha essas imagens armazenadas e que ele podia dispor desse material a hora que ele quisesse visualizar, então deliberamos pela prisão em flagrante. Como é um crime que não é superior a quatro anos, ele tem direito a fiança criminal que foi arbitrada no valor de R$ 3 mil”, disse a delegada da DDM, Margarete Franco.

O homem, atualmente, está desempregado e segundo a delegada, ele chegou a prestar vestibular de medicina, porém, não foi aprovado. “Ele disse que não estava trabalhando e por não ter uma atividade acabou acessando a internet e baixando esses vídeos”, afirma a delegada da DDM Margarete Franco.

A audiência de custódia do rapaz será realizada, nesta quarta-feira (19). A pena para quem armazena conteúdo pornográfico infantil varia de 1 a 4 anos de prisão, de 3 a 6 anos pelo compartilhamento e de 4 a 8 anos de prisão pela produção de conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual.

Por Mariane Dias