Polícia Civil identifica seis homens suspeitos do assalto ao banco Santander

A Polícia Civil vai ouvir, na tarde desta quinta-feira (17), um homem de 25 anos suspeito de fornecer um dos veículos utilizados no roubo ao banco Santander, no dia 7 de agosto, no centro de Rio preto.

O Serviço de Inteligência DIG/DISE identificou seis envolvidos no roubo a agência bancária. Os procurados pela polícia são Eduardo Almeida Rocha 34 anos, Taynã William Fernandes Santos 27 anos, Rafael Henrique Lopes Pedro 36 anos, Wesley de Oliveira Silva 35 anos, Leandro Gonçalves 32 anos e Cleber Antônio Santos de Oliveira 35 anos.

De acordo delegado Alceu Lima de Oliveira Júnior, após o crime equipes do Setor de Inteligência DIG/DISE começaram as investigações para chegar aos envolvidos. Todas as informações levantadas e imagens do circuito de monitoramento de locais próximos à agência auxiliaram na identificação e localização de seis criminosos que vieram de Londrina a Rio Preto para a prática do roubo.

Os veículos utilizados pela quadrilha possuíam placas do estado do Paraná, a partir daí equipes da Polícia Civil de Rio Preto tiveram o apoio da Polícia Civil do Paraná.

“Através deste serviço de rastreamento do circuito de imagens daqui foi possível identificar um veículo e posteriormente o segundo. Logo nos primeiros dias após o crime foram identificados de três integrantes, posteriormente mais dois e por último o sexto integrante”, conta o delegado.

De acordo com o delegado antes de efetuarem o crime os bandidos vão ao local e fazem um levantamento, no dia anterior ao assalto outros três criminosos vão ao ambiente. A abordagem é feita, somente, por dois integrantes enquanto recebem a cobertura dos demais.

Todos os integrantes da quadrilha são de Londrina e praticam roubo a bancos em várias cidades do interior estado. De acordo com a Polícia Civil os homens não atuam na cidade natal por serem conhecidos.

“Com as investigações feitas pelo setor de inteligência DIG/DISE foram esclarecidos mais três roubos semelhantes, através de imagens, praticados pela mesma quadrilha”, afirma Alceu.

A quadrilha especializada em roubos a bancos possui um grupo de whatsapp com 25 integrantes. Os criminosos decidem quais os próximos bancos a serem assaltados e definem os integrantes para praticar o crime.

“Fizemos vários planejamentos para prender todo mundo, conseguimos prender um com apoio da Polícia Civil de Londrina que não veio a Rio Preto, mas participou do crime e o outro foi preso na casa do pai de um dos ladrões com 50 munições de fuzil”, conta o delegado.

Além de Rio Preto outras três cidades foram alvos da quadrilha no interior de São Paulo. Os criminosos agiram em Bauru, Limeira e Marília.  A quadrilha já agiu outras vezes em Rio Preto pelo crime de furto a condomínios.

Por Mariane Dias 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS