Pesquisa revela baixa confiança dos microempreendedores na economia

Comércio - Edna da Penha Abreu dos Santos é dona de uma loja de fantasias

Uma pesquisa do Datafolha, encomendada pelo Sindicato da Micro e Pequena Indústria (Simpi), revelou que os microempresários estão com a confiança baixa em relação a economia. De acordo com a pesquisa, 44% dos empresários acreditam que a inflação tende a subir nos próximos três meses. Para outros 37%, o poder de compra do consumidor vai diminuir. Os dados também mostram que 38% preveem aumento no número de desempregados.

Para os microempresários da região a previsão não é animadora, mas também não chega a ser desesperadora. Edna da Penha Abreu dos Santos, dona de uma loja de fantasias (Animafest), afirma que a situação está constante. “Em sete anos, esse foi o que menos vendi roupas de festa junina. Mas no geral, meu número de vendas tem se mantido constante ao longo dos meses”. Já para o comerciante Vanderlei Antônio Perissini, os negócios caíram em 2018. “Diminuiu as vendas. Acredito que esteja faltando dinheiro na mão do consumidor”, explica.

Entretanto, há quem se beneficie da crise econômica. É o caso da dona do brechó, Ana Lúcia Oliveira, que tem conseguido aumentar suas vendas. “Quando a situação aperta, as pessoas costumar comprar roupas no brechó, que é mais barato”, afirma Ana.

“O cenário não está favorável, ambiente de incerteza política e conjuntura externa desfavorável devido a aumento dos juros nos Estados Unidos estão levando os investimentos estrangeiros para lá”, afirma o economista, Roosevelt Bormann Filho. Ele ainda argumenta que a greve dos caminhoneiros e a alta do dólar são alguns dos fatores que podem ter influenciado na queda de confiança dos empresários.

“A situação econômica atual não permite repasse para os preços, devido ao baixo consumo, contudo há uma tendência a esse aumento da inflação no médio prazo”, complementa. (Colaborou: Vinicius LIMA)

 

Da REPORTAGEM

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS