Para ajudar prefeitura a fechar contas no azul, Câmara aprova novo PPI

Durante a sessão, vereadores debateram postura adotada pelo Bispo Dom Tomé. Fiel apresenta abaixo-assinado pedindo afastamento do Diocesano

A sessão da Câmara de Rio Preto, realizada nesta terça-feira (22), foi tranquila em comparação a outros dias. Vereadores aprovaram, em regime de urgência especial, o Projeto de Lei Complementar do Executivo, para a criação de um novo Programa de Pagamento Incentivado (PPI), que tem como objetivo, aumentar a arrecadação da Administração. É a segunda vez no ano que a prefeitura envia projeto para a Casa de Leis com o objetivo de aumentar o dinheiro em caixa.

O novo PPI terá duração de 30 dias (com vigência no período de 4/11 a 3/12), permitindo aos contribuintes que tiverem dívida com a Prefeitura o pagamento dos débitos com descontos de juros e multa,

Além disso, os vereadores também votaram e aprovaram, em regime de urgência especial, o projeto de Lei da parlamentar Karina Carolina (Republicanos) que pede a implantação da Patrulha Maria da Penha em Rio Preto, projeto já existente em outras cidades do Brasil.

Dos aprovados, no entanto, o projeto que teve um pouco mais de “discussões” foi de autoria de Anderson Branco (PL), que pede a isenção do pagamento de taxa na Área Azul para idosos e deficientes físicos.

“Projeto pioneiro na cidade. Acredito que os vereadores que se opõem, se opõem por estarem incomodados e acusam a ilegalidade, mas ilegalidade é o idoso trabalhar a vida inteira e quando chega a hora de gozar de seus benefícios, fica impedido”, comentou o vereador, confiante de que o projeto também será aprovado no mérito e que os votos contrários (Renato Pupo (PSD) e Jean Charles (MDB)) não vão influenciar no final.

PEIXÃO E BISPO

O vereador Celso Peixão (PSB) falou sobre alguns problemas que a Igreja Católica enfrenta em relação a mudanças impostas pelo Bispo Dom Tomé Ferreira da Silva, que, segundo o vereador, teria “extinguido” as Missas de Cura e Libertação da programação da Igreja.

“Algumas pessoas, alguns grupos, querem a volta dessas missas. Não tenho nada contra o Bispo, mas acho que algumas coisas precisam ser repensadas”, disso Peixão.

O vereador Marco Rillo (PT) foi um pouco mais contundente em suas declarações e disse que, “enquanto líder religioso, o Bispo está fazendo um bom trabalho, mas enquanto homem está deixando a desejar”. “Se mete na política pelas portas dos fundos”, acusou Rillo.

Uma mulher chegou a apresentar um abaixo-assinado com algumas assinaturas que pede o afastamento imediato do Bispo.

Segundo o documento, “em virtude das diversas denúncias e ruídos acerca de um comportamento desregrado e contrário aos princípios da Igreja Católica praticado pelo senhor Bispo Diocesano dom Tomé Ferreira, nós, os abaixo-assinados integrantes da Diocese de São José do Rio Preto, solicitamos seu afastamento imediato”.

Por Ygor Andrade

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS