Padilha lança pré-candidatura para deputado federal

Petista desde sempre, o pré-candidato a deputado federal, Alexandre Padilha (PT), esteve em Rio Preto para anunciar a pré-candidatura e falar um pouco do trabalho que realizou a frente do Ministério da Saúde, durante os anos de 2011 até o início de 2014.

“Desde que estava no movimento estudantil já tinha proximidade com o PT. Ajudei na campanha a prefeito do Suplicy e estabeleci uma ligação ali com o partido, mais tarde, tive a oportunidade de ser aluno do Cacau Lopes. Terminei minha residência médica na USP e tive uma grande vivencia com populações ribeirinhas e população pobre. Minha pré-candidatura vem para mudar o partido dos trabalhadores. Queremos nos manter atualizados e levar o legado do partido para mais e mais pessoas”, contou Padilha.

Dhoje Interior

Mesmo com a queda no número de filiados e com as diversas denúncias de corrupção envolvendo o partido, Padilha se mostra confiante em relação à pré-candidatura e se diz fiel à sigla. “Não entrei na política para ficar mudando de partido. Sofremos um pênalti porque foi um golpe, não ao partido, mas ao país. Não é a toa que há uma rejeição enorme ao governo Temer. Isso faz com que o PT, mesmo com todos os ataques que sofreu está na frente, com a preferência nacional de 20% dos brasileiros”, esclareceu o ex-ministro.
No trabalho à frente do Ministério da Saúde, Padilha foi um dos idealizadores do programa Mais Médicos e aproveitou a oportunidade para falar sobre a mudança na legislação que permitiu o congelamento dos investimentos na área da saúde pelos próximos 20 anos. “A revolução da saúde foi interrompida. Mexemos em questões que há 30 anos não se mexia. Buscamos fortalecer a atenção básica. Nós aprovamos o recurso do pré-sal em uma vez e meia do que tem hoje. Os deputados federais aprovaram o congelamento do investimento em saúde. Isso é gravíssimo. Na prática, interrompe todas as conquistas que tivemos até então. Na realidade de hoje, não conseguiríamos fazer o Mais Médicos, por exemplo”, disse.

“Em Rio Preto foram construídas sete unidades básicas, com investimento de mais de R$ 2,6 milhões. Também investimos mais de R$ 80 mil em reformas e colocamos duas UPAs, Unidades de Pronto Atendimento 24 horas, para funcionar com R$ 5,1 milhões. Na época, Rio Preto tinha seis médicos do programa Mais Médicos, hoje são apenas três”, esclareceu.

Padilha, que concorreu ao governo do Estado nas últimas eleições, disse que decidiu lançar a candidatura de deputado federal depois de entender o trabalho do deputado é o que faz as verdadeiras mudanças. “Foi uma conversa com a família, com o partido e com o presidente Lula. O principal ponto da mudança foi o trabalho feito pelo deputado. Se não mudar a Câmara dos Deputados, o Executivo vai estar tolhido de fazer mudanças. A PL [projeto de lei] do veneno é gravíssima. Quando eu era ministro, tentaram distribuir agrotóxico também, mas nós não permitimos”, explicou o ex-ministro.

“Eu estou convencido de que se não mudar a cara da Câmara dos Deputados, não vamos conseguir fazer mudanças reais na vida do cidadão”, completou Padilha.

 

Por Bia MENEGILDO