Paciente acusa médico de suposto abuso

Uma secretária, de 24 anos, alega ter sofrido abusos sexuais, por um ginecologista. O caso ocorreu na tarde desta quarta-feira (9), na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Vila Toninho, em Rio Preto.

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima alega que após tirar a roupa, o médico realizou os exames de bexiga, mama e colheu o papanicolau. Após descer da maca para realizar outro exame, a mulher esbarrou o joelho de forma involuntária nas partes intimas do médico, percebendo que o mesmo estava ereto. Em seguida, após a paciente virar de costas para um novo exame, sentiu ser “enconchada”.

“Após ele me enconchar, eu avisei ele, achando que era sem querer, mas ele deu risada. Eu fui até o banheiro me troquei e voltei, nesse momento a enfermeira estava no local. Eu esperei ele me receitar os medicamentos e fui embora. Foi um choque muito grande, não esperava por isso. Conversei com meu marido e vim fazer o boletim. Agora estou esperando ser encaminhado para Delegacia da Mulher”, conta a paciente

Ainda de acordo com o boletim, o médico negou os fatos. Ele conta que, a mulher foi atendida, pois estava com dores nas partes intimas. Foram feitos todos os exames de maneira normal. Após a consulta, ambas as partes continuaram conversando por 10 minutos, onde a paciente estava tirando dúvidas sobre anabolizantes.

De acordo com o advogado do médico, Patrick Zioti, ele está de consciência limpa “Nós não sabemos o motivo da paciente ter feito isso, causou estranhamento, pois ela é paciente dele antiga dele. Se ela tivesse sofrido algum abuso, ela não teria ficado na sala igual ela ficou, teria corrido, buscado refugio” afirma o advogado.

“Ele está nervoso com a situação, mas está de consciência limpa. Tinha testemunha no local também. Vamos aguardar, mas vamos buscar a verdade”, completa Patrick.

Uma testemunha, que trabalha como técnica de enfermagem no local relatou que, quando entrou na sala, a paciente já havia sido atendida e estava conversando com o médico sobre o uso de anabolizantes. Afirma também não ter notado nenhuma atitude diferente em ambas as partes.

Em nota, a Prefeitura, por meio da Secretária da Saúde, informa que determinou a apuração rigorosa dos fatos. Preliminarmente, está confirmado que uma técnica de enfermagem matinha-se próxima ao médico e à paciente durante o atendimento. Essa técnica de enfermagem testemunhou que o mesmo depois de o fato supostamente ter ocorrido, a paciente prosseguiu sob a atenção do médico, conversando com ele sem restrições e tampouco constrangimento aparente. As partes já foram inquiridas na Delegacia de Polícia e a Secretaria de Saúde determinou a instauração de procedimento apuratório. (Colaborou: Leo BIGOTTO CARON)

Da Reportagem

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS