Os benefícios de amar e se amar de verdade

Na atual cultura social, é muito comum dar mais importância ao exterior e ao que acontece ao redor para formar uma impressão de si mesmo. Inclusive, o fato de se amar é, muitas vezes, considerado um ato egoísta. Esta é uma crença totalmente errada, já que amar os outros começa pelo amor a si mesmo, formando, por sua vez, parte do amor universal e o amor pela humanidade.

De acordo com João Gonsalves, escritor, terapeuta transpessoal e pesquisador, “mais importante do que ter ‘pé no chão’ é ter amor próprio e, como consequência disso, a auto aprovação. Ao nos aprovarmos, nosso sistema já estará saudável e nos aproximará de pessoas que estão em harmonia conosco e a paixão poderá ser vivida intensamente sem preocupações”, explica.

O amor próprio é a origem da felicidade para os que têm e os que estão no entorno dessa pessoa sentirão os benefícios que emanam naturalmente dela. “A baixa autoestima interfere em todos os relacionamentos, pois ela já é um sentimento de ser menos, não ter valor e, portanto, não ser reconhecido e aceito. Sendo assim, a tendência dessa pessoa é que tenha relacionamentos onde tudo isso aflora, pois, o externo é a representação do nosso subconsciente, onde temos nossas crenças, (o famoso espelho) e a baixa autoestima é uma programação subconsciente de que não mereço ser amado e isso, por si, já irá gerar experiências onde não me sentirei amado. As crenças são auto realizadoras”, alerta João.

O amor romântico  pode ser conceituado como uma necessidade do outro,  que precisa necessariamente de reciprocidade para ser satisfatório e, na verdade, não é amor e, sim, a necessidade que a pessoa sente de ser nutrido pelo outro . “Uma pessoa pode viver um romance com amor, mas o romance não é o amor, pois depende de reciprocidade e o amor é uma doação natural do ser”, segundo João. Amar é diferente de se apaixonar, pois o amor não depende de reciprocidade, nem de benefícios que o outro pode nos dar. Amar é um sentimento profundo de boa vontade, de bem querer, onde realmente desejamos que o outro seja feliz e, se pudermos, para contribuir para essa felicidade, sem objetivar receber nenhuma recompensa.

Apaixonar-se é um sentimento que está sedimentado no desejo de se relacionar  afetivamente e sexualmente com a outra pessoa e esse sentimento, para prosperar, precisa   necessariamente de reciprocidade. “Todo relacionamento íntimo necessita de reciprocidade, pois para beijar, precisa duas pessoas, assim como  para fazer sexo. A paixão nos leva a querer uma interação, uma troca e não é uma doação e, sim, uma necessidade do outro”, conclui.

O profissional destaca  que a importância  de cultivar o amor cotidianamente é muito grande, porque, ao ser  amoroso, você se torna mais compreensivo, pacífico e fica em harmonia, o que já se faz muito compensador. “Porém, tem muitos outros benefícios, como manter boa  saúde, ter melhores relacionamentos e manter um estado de paz interior. Ser uma essência amorosa e agir em coerência com essa essência traz um grande bem estar e o corpo e mente ficam saudáveis”, finaliza João.

Serviço: João Gonsalves

Terapeuta de autoconhecimento

Fone: 011 – 98203-1315

Email [email protected]

Fanpage: João Gonsalves

Site: www.joaogonsaves.com.br

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS