Obras de recape iniciam na próxima segunda-feira na Avenida José Munia

O prefeito Edinho Araújo e o secretário de obras, Sérgio Issas, assinaram a ordem de serviço nesta sexta-feira (18)

A partir de segunda-feira (21) a Avenida José Munia receberá as obras de recapeamento da via que devem durar 90 dias. A empresa vencedora da licitação e que vai executar as obras será a Constroeste. Serão mais de 60 mil metros cúbicos recapeados e o valor total da obra ficará em aproximadamente R$ 1,7 milhão.

O recape será por toda a extensão da avenida e as obras serão dividas em três trechos. O primeiro trecho será entre a Avenida Arthur Nonato e a Rua Emília Joaquina de Jesus Castro/ Roberto Simonsen. Já o segundo abrange a Rua Emília Joaquina de Jesus Castro/ Roberto Simonsen e a Rua Jorge Assad Caram + 100 metros.

O terceiro trecho será entre a Rua Jorge Assad Caram + 100 metros até a Avenida Benedito Rodrigues Lisboa. Serão aproximadamente seis quilômetros recapeados nos dois sentidos da Avenida. A Secretaria de Obras ainda solicitou um aditivo junto a Caixa Econômica Federal de R$ 348.284,06, devido ao desconto de 34,82% dado pela empreiteira, para dar continuidade a via recapeada, com início na Avenida Benedito Rodrigues Lisboa até a nova rotatória da BR-153.

“Com a BR-153 a Avenida José Munia fará esse elo, a ligação entre a Washington Luís e a BR-153. Hoje a José Munia não é uma via de acesso porque há uma interrupção que está sendo substituída por um grande viaduto. Isso vale dizer que essa avenida será uma porta de entrada de Rio Preto”, afirmou o prefeito Edinho Araújo.

Para que a obra seja adequada e não haja resserviço, o secretário de obras, Sérgio Issas, afirma que nos trechos que forem necessários será feito a fresagem do pavimento, a fim de se evitar que a altura do asfalto fique superior a da guia das calçadas. A espessura de massa asfáltica utilizada no recapeamento será de três centímetros. “As obras vão começar na Avenida Benedito Lisboa no sentido bairro/centro. Na abertura dessa licitação nós fizemos uma vistoria em campo e verificamos os locais que poderiam ter algum contratempo nesse quesito de alteamento e que ali determinamos que ocorresse a fresagem para que a gente possa ter o recapeamento sem ter nenhuma desproporcionalidade entre sarjeta e o pavimento novo”, finalizou Issas.

Por Priscila CARVALHO

SEM COMENTÁRIOS