Número de mães jovens diminui no estado de São Paulo

Em Rio Preto a queda vem sendo gradativa. De 2015 para 2016 o número de gestantes caiu de 843 para 745 (uma diminuição de 11,6%, em relação ao ano anterior). De 2016 para 2017 a queda foi um pouco menor, cerca de 6,7%. A taxa de natalidade também registrou uma queda de 12,87 em 2015 para 12,12 em 2017

Um balanço feito pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo revelou que o número de partos em mães com menos de 20 anos caiu em 50% nas últimas duas décadas, atingindo em 2017 o menor nível da história.

No ano passado, 73.966 gestantes menores de 20 anos tiveram filhos no Estado, sendo equivalente a 12,2% do total de nascidos vivos em São Paulo. Em 1998 esse número era de 148.018 mães nessa faixa etária, com um percentual de 20,2%. Em 96% dos casos de gravidez na adolescência, as jovens tornaram-se mães com idade entre 15 e 19 anos. Nessa faixa etária, a redução do índice de gravidez na adolescência também caiu pela metade. Em 2017, esse grupo abrangeu 71.535 gestantes, equivalente a 11,7% do total de partos em SP. Em 1998, o percentual foi de 20% ou 143.490, em números absolutos.

Em Rio Preto a queda vem sendo gradativa. De 2015 para 2016 o número de gestantes caiu de 843 para 745 (uma diminuição de 11,6%, em relação ao ano anterior). De 2016 para 2017 a queda foi um pouco menor, cerca de 6,7%. A taxa de natalidade também registrou uma queda de 12,87 em 2015 para 12,12 em 2017.

“É um resultado importante, que foi possível graças a ações integradas do Estado, em parceria com os municípios. Iniciativas que ampliam o conhecimento e o debate, auxiliam os profissionais a qualificar o atendimento à esses jovens e sensibilizam gestores para criação de novas ações de atenção à saúde do adolescente”, afirma Albertina Duarte Takiuti, coordenadora do Programa Saúde do Adolescente da Secretária da Saúde.

A médica também ressalta que as iniciativas de conscientização coletiva e a consolidação de serviços públicos, como a distribuição gratuita de preservativos e contraceptivos em todo o Estado, foram fundamentais para a redução dos casos.

Colaborou: Vinicius LIMA

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS