No dia mundial da água, rio-pretense leva puxão de orelha por consumo alto

No último levantamento do Instituto Trata Brasil, a autarquia aparece no Ranking do Saneamento Básico entre os Top 10. Rio Preto é a 9ª cidade com o melhor saneamento básico do país. Foto: Guilherme BATISTA

Nesta quinta-feira, dia 22 de março, é comemorado o Dia Mundial da Água, que tem como tema “A resposta está na natureza”, escolhido pela ONU (Organização das Nações Unidas) para alertar toda a população para estratégias de preservação e restauração ambiental que podem proteger o ciclo da água e melhorar a qualidade de vida.

Para seguir as orientações da organização intergovernamental, o ideal seria que cada indivíduo consumisse por dia de 110 a 150 litros de água, o que, segundo a ONU, seria o suficiente para suprir as necessidades básicas de uma pessoa.

E é justamente nesse ponto de consumo que o rio-pretense toma uma advertência por parte da gerente de operação do Semae (Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto de Rio Preto), Jaqueline Freitas Reis. “Com uma produção de 3.900.000 m³ por mês de água, atualmente, nós temos uma perda de 28% e estamos trabalhando para reduzir ainda mais essa perda de água. O ideal, para os nossos padrões, seria atingir 20%, entre perdas físicas e comercias”, afirmou.

Segundo Jaqueline Freitas, o ideal seria seguir a média que a ONU determina. “Deixo o recado para os rio-pretenses terem um consumo consciente e racional de um bem tão precioso. Atualmente, em Rio Preto, o consumo da nossa população é em média de 250 litros. Isso mostra que está um pouco alto em relação ao que determina a ONU. Mesmo morando em uma cidade de clima quente precisamos corrigir isso”, analisou.

Ainda de acordo com a gerente de operação do Semae, existem vários hábitos para economizar e realizar um consumo consciente, mas as pessoas estão esquecendo de executar.

“Temos que economizar de forma consciente. Até reciclando o lixo as pessoas podem ajudar. Lavar calçada, não demorar no banho, desligar a mangueira quando lava o carro, não lavar a louça com a torneira ligada são todas ações que nossos filhos sabem, mas que quando crescemos esquecemos de fazer. Então, precisamos prevenir para cuidarmos das gerações futuras”, finalizou a gerente de operação do Semae.

EXEMPLO

Se o rio-pretense vem gastando muito mais água que o ideal, em Olímpia, o Olímpia Park Resort, que será inaugurado parcialmente em abril, é um exemplo de novos empreendimentos que investem em tecnologia e se preocupam com a sustentabilidade e trabalha com um sistema inteligente de captação de água de chuva que deverá armazenar e acondicionar 70 mil litros de água por ano, o equivalente a três piscinas médias, como explica o CEO do Grupo Natos, Rafael Almeida.

“A água reservada será utilizada na irrigação dos jardins, limpeza do resort e outros usos, menos para consumo humano. A água da chuva é um elemento chave na sustentabilidade e na redução dos recursos naturais”, afirmou Almeida.

Por Marcelo Schaffauser

SEM COMENTÁRIOS