Festa do Senhor Bom Jesus dos Castores é realizada neste domingo em Onda Verde

A expectativa de público é de aproximadamente 80 mil pessoas.

Neste sábado, dia 5, durante todo o dia, e no domingo, das 10 às 16h, será realizada a tradicional quermesse em louvor ao Bom Jesus dos Castores. O evento encerra a mais tradicional peregrinação do Noroeste Paulista: a caminhada rumo ao Santuário Diocesano do Senhor Bom Jesus dos Castores, em Onda Verde, interior de São Paulo. Neste ano, em que o evento completa 108 anos, a organização do evento espera um público de aproximadamente 80 mil pessoas.

Os fiéis percorrem, nesta tarde, a distância de 23 km no trajeto que inicia na Transbrasiliana (BR-153), segue pela estrada vicinal e termina no santuário. Barracas montadas por devotos ao longo da rodovia servem gratuitamente água, refrigerante, caldo, lanche durante o percurso. A caminhada reúne milhares de fiéis que desafiam o cansaço e as limitações físicas para expressar a fé no Bom Jesus, pagando promessas e fazendo pedidos e agradecimentos.

A cada ano a Festa do Senhor Bom Jesus dos Castores apresenta um tema a ser meditado nos dez dias de celebração marcados por missas, atendimento de confissões e com muitas orações. Nesta edição, no contexto do Ano Nacional Mariano que a Igreja no Brasil celebra em comemoração aos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, o tema é “Ó Mãe de Misericórdia, lembrai-nos sempre das dores de vosso filho Jesus Cristo”.

Segurança

Durante a peregrinação, devido à intensa movimentação na BR, a Polícia Rodoviária Federal montou um esquema especial para fazer o monitoramento do trânsito e garantir a segurança dos devotos, orienta que os motoristas redobrem a atenção.

 

História

“A festa começou com coisa simples, com oração, terços. Alcançando a graça isso começou a propagar e todos começaram a fazer peregrinação para este local”, diz o padre e reitor do santuário, Alexandre Ferreira dos Santos.

De fato, segundo historiadores, tudo começou por volta de 1900 com as visões tidas por Tomé Correia de Paiva em um altar que tinha em sua casa: a imagem do Senhor Bom Jesus dos Castores colocada ali, lhe aparecida envolta em luz. As visões foram interpretadas como um sinal para que fosse construída uma igreja dedicada ao Bom Jesus.

Com a doação do terreno para a igreja, Tomé deu também a permissão para a construção de casas no local. Assim, nascia o povoado de Castores, fortemente marcado pela religiosidade do povo.

Fonte: Suélen Petek – Redação Jornal DHoje Interior

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS