Mutirão realiza exames gratuitos no combate ao câncer de pele

Foto Eloisa Mattos

O alerta sobre o câncer de pele será feito neste mês de dezembro por diversas instituições que aderem à campanha Dezembro Laranja, criada pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Em Rio Preto, o Serviço de Dermatologia da Famerp e Hospital de Base participam do lançamento da 20ª Campanha Nacional de Combate ao Câncer de Pele.

Médicos residentes de dermatologia e professores da faculdade realizam neste sábado (1º), na Praça Dom José Marcondes, no Calçadão, o mutirão de exames gratuitos para o rastreamento da doença. O atendimento gratuito ao público será oferecido entre 9h e 15h, em frente à Catedral. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), 30% dos tumores malignos no país estão relacionados ao câncer de pele.

De acordo com o médico dermatologista e chefe da Dermatologia do Hospital de Base, João Roberto Antônio, a proposta é promover exames e orientações para quem se interessar pelo atendimento. “A campanha é feita a partir do conceito de que a conscientização pública é uma das formas de reduzir o número de casos. Os interessados podem realizar os exames, e em caso de uma lesão pré-cancerosa ou cancerosa, orientamos o paciente a procurar atendimento médico no Hospital de Base para iniciação do tratamento clínico ou cirurgia”, aponta.

No ano passado, o mutirão realizou 284 atendimentos sendo que em 24 casos foram apresentados lesões cancerígenas e todos tratados. A estimativa dos organizadores do mutirão do câncer de pele deste ano é de atender cerca de 300 pessoas.

O câncer de pele não melanoma (provocado pela exposição excessiva ao sol) é o mais frequente no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país e apresenta altos percentuais de cura, se for detectado precocemente.

“Por isso a importância em orientar toda a população em relação aos cuidados com a saúde e proteção da pele. Se houver qualquer sinal, pinta ou mancha suspeita, é preciso procurar imediatamente um dermatologista”, conclui o médico João Roberto.

 

Por Vinicius MAIA

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS