Mutirão de exames adianta fila em seis meses no HB

Para reduzir o tempo de espera por um exame de Ressonância Magnética, o Hospital de Base de Rio Preto iniciou um mutirão deste tipo de procedimento. Foram convocados pacientes do Instituto do Câncer (ICA) de Rio Preto e região e, segundo a diretora administrativa do HB, Amália Tieco da Rocha, a fila será adiantada em seis meses no cronograma, com diminuição de 25% no número de pacientes.

“Temos uma fila de espera altíssima. A demanda é muito grande e são exames de alta complexidade, que já limita os locais que realizam esses procedimentos. O paciente oncológico, que é atendido aqui no ICA, requer uma atenção maior, além da agilidade. Este mutirão vem justamente para diminuir esse tempo de espera, fazendo com que o tratamento seja iniciado o quanto antes.”

Ontem foram realizados 23 exames. Os procedimentos são demorados e duram em torno de 40 minutos. “Contabilizamos os atendimentos por número de exames realizados, já que alguns pacientes precisam fazer dois ou três ressonâncias, em áreas distintas do corpo. Aqui temos pacientes que passaram pelo primeiro atendimento e também aqueles que já estão em processo de tratamento de quimioterapia e radioterapia. Os exames são para o diagnóstico, manutenção e acompanhamento do câncer”, explicou Amália.

Hoje, a expectativa era de que mais de 10 exames fosse realizados. A previsão é de que mais mutirões aconteçam para tentar suprir a demanda. “Estamos em contato com a Divisão Regional de Saúde, a DRS-XV, para avaliar qual a maior demanda da rede. Hoje vimos a necessidade de zerar o tempo de espera da ressonância magnética, já que temos pacientes que aguardam até um ano e meio para passar pelo exame. Estamos analisando os próximos, mas já sabemos que temos carência de ultrassonografia e também raio-x. Não iremos parar por aqui. Este é o primeiro de muitos mutirões que virão”, destacou a diretora.

Ressonância Magnética
A técnica em Radiologia Romilda Francisco Batista, trabalha no HB há 19 anos e, segundo ela, o exame é o mais completo diagnóstico por imagem. “A grande vantagem da ressonância magnética em relação aos outros exames de imagem radiológicos é a sua capacidade de gerar imagens nítidas sem precisar recorrer à radiação, como são os casos da tomografia computadorizada, da angiografia e da radiografia comum. Com este exame conseguimos imagens em alta definição dos órgãos internos do corpo.”

A pensionista Geni Fernandes Mendes, 65 anos, foi uma das pacientes que passaram pelo exame ontem. Ela descobriu um câncer no ovário, passou por quatro sessões de quimioterapia e hoje precisa realizar a cada seis meses exames para acompanhar a doença. “Tive uma alteração nos exames de sangue e a médica pediu para repetir a ressonância e acompanhar a evolução da doença. Até assustei quando me ligaram falando que poderia vir no feriado fazer o exame. Foi muito rápido. Isso era o que me deixava mais apreensiva, mas acredito que vai dar tudo certo.”

 

Por Jaqueline Barros

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS