Mulheres são agredidas por maridos com faca, canivetes e socos

Mulher ficou gravemente ferida após ter sido agredida no rosto com canivete pelo marido, durante discussão

Três mulheres foram agredidas pelos companheiros na madrugada deste sábado. As agressões, violentas, causam impacto na sociedade. Uma das vítimas teve o rosto ferido com canivete por ciúmes, outra levou uma facada no braço enquanto estava em casa e a terceira apanhou do marido e da amante dele porque descobriu a traição. Todos os casos foram registrados aqui, em Rio Preto.

A jovem M.B.S.R., 25 anos ficou gravemente ferida, após ser agredida no rosto e na mão direita com um canivete. O autor das agressões foi o próprio marido. O crime aconteceu no bairro Jardim Antonieta por volta das 00h de ontem. Segundo a vítima há uma semana eles estavam separados e o marido foi até a casa dela para eles conversarem, momento em que ele ficou nervoso e começou a agredi-la apertando o pescoço, chutando suas costelas do lado esquerdo. Mesmo aqpós isso, o homem ainda pegou um canivete e cortou o rosto e sua mão da esposa.

“Estou assustada com o ocorrido. Ainda bem que meu filho de sete anos estava em outro cômodo da casa e não viu o ocorrido. Peço forças para Deus”, comentou a vítima.
A senhora J.D.P., 50 anos estava em sua casa no bairro Eldorado quando o marido chegou embriagado e começou a agredi-la fisicamente. Ainda segundo as informações da vítima no boletim de ocorrência , o marido pegou uma faca de cozinha e cortou o seu braço e seus dois dedos da mão direita. A vítima pediu socorro , acionando a Polícia Militar.

O terceiro caso aconteceu com uma mulher de 36 anos , V.C.C.,no Jardim Gabriela. Segundo as informações da vítima, ela foi agredida fisicamente pelo marido e a amante dele. Ela afirma que há quatorze anos é casada e aproximadamente cinco meses desconfiava que estivesse sendo traída, e foi até a casa da suposta amante do marido.

“Cheguei na casa da J.S., e bati palmas, como o portão estava aberto, entrei e vi os dois na sala tomando vinho em clima romântico. Meu marido evantou e veio para cima de mim me dando socos no rosto, no ouvido e no pescoço. A mulher levantou e começou a me bater também”, comentou a vítima.

A vítima contou que tentou revidar, mas não conseguiu. Todas as vítimas terão agora um prazo de seis meses para representarem criminalmente contra os agressores na DDM.

 

Da Redação

(Colaborou Chiara Gélio)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS