Mulheres podem se candidatar a serem mães sociais em Rio Preto

MÃE SOCIAL - Secretária de Assistência Social, Maria Silvia Fernandes, explica sobre o projeto

Mulheres interessadas em serem ‘mães sociais’ podem se candidatar para desempenhar a função para o Projeto Teia em Rio Preto, que acolhe crianças e adolescentes vítimas de violência doméstica, retiradas provisoriamente do convívio familiar. O projeto tem como objetivo garantir a integridade física e psicológica, oferecendo atendimento personalizado, que visa o retorno dos acolhidos ao convívio familiar quando possível.

Os requisitos para a vaga são: ter idade acima de 25 anos; devendo ser casada e ter no máximo dois filhos biológicos; ensino fundamental completo; não ter antecedentes criminais; disponibilidade para residir na Casa Lar do Serviço; jornada e trabalho de 24 horas, com uma folga semanal. De acordo com a secretária de Assistência Social, Maria Silvia Fernandes, o contrato será regido pela CLT e a ‘mãe social’ irá exercer a função em uma ‘Casa Lar’. “Ela vai morar nessa Casa Lar com a família e cuidar de crianças com determinação judicial. O objetivo do abrigo em Casa Lar é dar uma qualidade de vida para essas crianças em um sistema de mãe e pai, em uma casa ‘normal’ com mãe, pai e irmão”, comentou.

Os benefícios oferecidos para este cargo são: salário de R$ 1.870,00, ticket alimentação e mais os encargos trabalhistas. As atribuições são administrar e zelar pela Casa Lar e desenvolver as atividades como uma mãe. Uma auxiliar também estará disponível para ajudar a mãe social nas tarefas diárias. “No dia a dia essa mãe social vai ter atendimento da equipe do serviço de acolhimento do Projeto Teia e o atendimento semanal com psicólogos para dar o suporte de tudo o que acontece na rotina”, disse a secretária.

Há três anos como mãe social, Débora dos Anjos Prado de Carvalho de 33 anos, desenvolve a função com muito orgulho. Ela mora com o marido e as duas filhas biológicas de quatro e sete anos, em uma das sete Casas Lares existentes em Rio Preto.

O que a motivou se tornar uma mãe social foi a vontade de querer trabalhar com crianças. “Eu sempre quis trabalhar com criança e quando fiquei sabendo que tinha uma vaga, o coração explodiu. É muito gratificante esse trabalho. Eu falo que Deus ainda tem muitas crianças para me dar para cuidar. É muito bom poder ver o sorriso deles e essa é a minha missão”. Atualmente Débora cuida de 11 crianças com idades de 7 à 17 anos e já perdeu as contas de quantas já cuidou. “Eu não tenho nem noção, mas sei que já passou bastante”, afirmou.

O Projeto Teia é ofertado pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS), em parceria com Vara da Infância e Juventude de Rio Preto e executado pela Associação Filantrópica Mamãe Idalina (Amai). Estão disponíveis duas vagas e as interessadas devem enviar o currículo pelo e-mail [email protected] ou entregar na sede do projeto que fica na Rua Rubião Júnior, 2055, Boa Vista.

 

Por Priscila Carvalho

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS