Mulher com marcas de esganadura é encontrada em canavial na região de Pindorama

REPRODUÇÃO/POLÍCIA CIVIL - 20/06/2018: Investigadores estiveram na casa onde a mulher estava pela última vez antes de ser encontrada morta.
Um homem de 38 anos contou que os dois consumiam drogas na casa onde viviam no Pedro Juca em Catanduva e que teriam sido alvos de um assalto na madrugada.

A Polícia Civil de Pindorama-SP (a 67 km de Rio Preto) investiga a morte de uma mulher de 40 anos o corpo dela foi encontrado com sinais de agressão dentro de um canavial entre os dois municípios paulistas de Pindorama e o distrito de Vila Roberto na região Noroeste do Estado. O crime foi registrado na manhã desta quarta-feira (20).

Segundo informações preliminares fornecidas por uma testemunha para Polícia Militar, disse que seguia para o trabalho quando viu a vítima que mora em Catanduva na Vila Juca Pedro, estava caída com marcas de sangue no rosto. A propriedade fica perto da vicinal Sergio Luís Perosa.

Arma usada na violência não foi encontrada e não há informações de sinais de abuso sexual. Um homem de 38 anos deve ser ouvido na DIG (Delegacia de Investigações Gerais) que também auxilia nas apurações do caso deve ser ouvido e vai passar por exames criminológicos, já que é considerado suspeito no delito, investigadores também estiveram na moradia do casal a rua Oswaldo Cruz.

Ela contou que por volta da 1h da madrugada fazia o uso de drogas com a mulher em casa, quando outras três pessoas teriam invadido a residência logo depois de ter quebrado a porta da frente da residência.

Durante a invasão o casal se escondeu em cômodos diferentes da moradia e que os invasores diziam que os dois ‘iriam morrem’, o rapaz afirma que pulou o muro e foi buscar ajuda em um hospital, onde teria ligado para o pai e pedido uma viajem de moto taxi até a casa dele e mais pouco depois registrou ocorrência na Central de Polícia Judiciária de Catanduva.

Além do sangue peritos IML (Instituto Médico Legal) deverão comprovar em laudo oficial vestígios de esganadura na região do pescoço da vítima; e se o ferimento encontrado na cabeça foi provocado por um disparo de revólver.

DA REPORTAGEM:

Colaboração: Guilherme Ramos, às 19h10.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS