Ministra vem a Rio Preto entregar carros e equipamentos para a região

Militantes protestam contra Ministra durante evento da última quinta-feira (Foto: Ygor Andrade)

Damares Alves, ministra da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, fez a entrega de cinco veículos zero quilômetro e equipamentos, como computadores e impressoras, para Conselhos Tutelares da região de Rio Preto nesta quinta, dia 25.

O evento ocorreu na concessionária Citroën, na Avenida Baby Bassitt, com as presenças do prefeito Edinho Araújo (MDB), do presidente da Câmara, Paulo Pauléra (PP), secretária da Assistência Social Patrícia Lisboa e representantes administrativos de municípios da região que também serão contemplados pelos kits, Neves Paulista, Altair e Guapiaçu, além de Assis e Pirassununga.

Na solenidade Damares manifestou a importância das autoridades se compromissarem com a infância e adolescência, que a seu ver são aqueles que sofrem mais do que nunca no Brasil e que, portanto, trazem maiores desafios para o ministério.

“Não trouxe aqui uma grande obra, com uso de muito dinheiro. Mas garanto que estamos fazendo a maior obra do Brasil, que é cuidar das nossas crianças e adolescentes”, declarou.
A ministra denunciou a violência contra menores, inclusive sobre os perigos do abuso sexual infantil, crime que vem vitimando os mais jovens, como bebês com menos de um ano.

“Temos caso de criança abusada aos 22 dias de vida. Prendemos um médico em Manaus num quarto de hotel com uma criança de sete meses, com consentimento da mãe. Em Curitiba, um pai foi preso, por abusar da filha de apenas oito dias. Isso é urgente”, frisou.
Por causa da urgência na proteção ao menor, Damares salientou serem necessários investimentos nos conselhos tutelares.

O prefeito Edinho Araújo mencionou que este evento marca a parceria entre os poderes no combate à violência contra menores, numa “sintonia entre ministério, governos federal e municipal em medida de colaboração para enfrentar um dos assuntos mais importantes que é a infância e adolescência”.

Por meio da Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA), este ano houve entrega de carros e kits de equipamentos, frutos de emendas parlamentares, para mais de 700 conselhos tutelares no país.

Protestos marcam evento 

Na tarde desta quinta- feira, a ministra da pasta da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, participou de um evento com o prefeito de Rio Preto, Edinho Araújo (MDB), para a entrega de veículos para os conselhos tutelares da região.

Em nome da segurança e integridade das crianças e adolescentes, Damares falou da importância da entrega dos carros a serem utilizados pela assistência social.
Por seus posicionamentos ideológicos polêmicos quanto a gênero e famílias, entretanto, houve um protesto pacífico realizado por movimentos feministas e por direitos humanos na avenida Bady Bassitt.

Com cartazes e hinos como ‘O amor alheio não é da conta de ninguém, mas o discurso de ódio é da conta de todos nós’, o ato reuniu algumas dezenas de militantes em frente à concessionária Citroen, onde ocorreu o evento oficial.

Para Brenno Santos Aragon, do Juntos (movimento da juventude do PSOL), o ato foi realizado para demonstrar resistência contra as visões conservadoras da ministra. Aragon salientou que a seu ver a política tocada por Damares frente à pasta vem sendo desastrosa e perigosa, pois “afirmações e ameaças a núcleos LGBTs e mentiras espalhadas como aquela do Kit Gay ou Bruxaria na Escola, disseminam ódio contra minorias”.

Maria Aparecida Vernucci da Silva, assistente social e militante feminista do Grupo ‘Mulher onde ela quiser’, afirmou que o movimento não aceita discriminação nem homofobia.
“O amor está presente em todos os tipos de família, não apenas naquelas heteronormativas que são aceitas por esta ditadura religiosa presente no governo”, frisou.
Ela ressaltou que os carros não são dados pela ministra, são de verba pública e deveriam vir direto do Fundo da Criança e Adolescente para a cidade discutir junto aos conselhos seu destino.

Quando questionada a respeito dos atos que aconteciam do lado de fora da concessionária, a ministra Damares foi diplomática e disse que “se os atos forem por eu ser pastora, existe um problema, é preconceito, caso não, eles têm direito e não têm problema nenhum”.

Por Ana Eliza Barreiro

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS