Ministério Público Federal denuncia quatro pessoas por fraudes no FGTS na região

Acusados utilizaram documentos falsos para sacar pelo menos R$ 15,5 mil em agências da Caixa

Quatro pessoas foram condenadas, em Jales, após denúncia do Ministério Público Federal (MPF) por realizarem saques criminosos de parcelas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), em 2014, na região.

O grupo foi condenado por estelionato qualificado e associação criminosa. As penas individuais aplicadas variam da prestação de serviços comunitários por dois anos e nove meses à prisão por seis anos e três meses, em regime fechado.

Os acusados resgataram irregularmente pelo menos R$ 15,5 mil com o uso de documentos falsos em nome de funcionários de uma empresa metalúrgica com sede em Mirassol. Os saques foram efetuados nas cidades Estrela d’Oeste e de General Salgado entre os dias 7 e 10 de novembro de 2014.

Os crimes foram descobertos ainda no dia 10, quando parte do grupo se dirigiu a Auriflama e lá tentou obter outras parcelas do FGTS. O gerente da agência da Caixa Econômica Federal na cidade percebeu inconsistências dos dados e, após confirmar com a indústria metalúrgica que os pedidos eram falsos, acionou a polícia.

Na época, uma das integrantes do grupo foi presa em flagrante. Dois outros membros que davam cobertura à comparsa no dia fugiram, mas sua participação foi confirmada no depoimento dela.

Ao longo das investigações, imagens do circuito de monitoramento das agências bancárias captaram a ação dos acusados, além disso denúncias de testemunhas ajudaram nas investigações.

Um dos condenados já está preso preventivamente e permanecerá detido. Os demais poderão recorrer da sentença em liberdade.

Por Mariane DIAS

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS