Ministério Público abre inquérito para apurar vazamento de esgoto

Vazamentos ocorreriam em vários pontos, segundo denúncia (Foto: Cláudio Lahos)

O promotor Carlos Gilberto Menezello Romani, de Rio Preto, instaurou inquérito para investigar o vazamento de esgoto em vários pontos localizados na avenida Philadelpho Manoel Gouveia Neto.

O MP considerou as reclamações e requerimentos feitos pelo vereador Marco Rillo (PT) que pediu solução do problema na avenida próximo ao viaduto Jordão Reis.

Dhoje Interior

“Tudo isso já vem há algum tempo, em 2019 inundou o Parque Setorial, a tubulação de esgoto não aguentou a pressão e ficaram dejetos espalhados pelo local. Com isso, logo no começo do ano, fiz um requerimento pedindo ao Semae uma solução porque é algo que afeta a população e o meio ambiente. No fim do ano fiz novamente um requerimento e nenhuma providência foi tomada. Portanto a solução foi recorrer ao Ministério Público”, explicou Rillo.

Segundo o inquérito, no dia 5 de abril de 2019, o Semae respondeu à época que o caso estava em análise para um projeto de substituição da rede no trecho.

Em 29 de novembro de 2019, uma nova resposta, ressaltando que o projeto estava em fase de estudo e que seria aberta uma licitação para a contratação da obra.

O promotor Carlos Romani instaurou inquérito para apuração dos fatos, a fim de colher elementos para a formação da convicção para ajuizamento de ação civil pública ou arquivamento do inquérito.

Romani notificou o superintendente do Serviço Municipal Autonômo de Água e Esgoto, Nicanor Batista Junior, para que esclareça e justifique a situação apontada, em um prazo de 15 dias.

Em nota, o Semae informou que irá fazer a substituição do interceptor de esgoto da avenida.

“Em relação ao vazamento de esgoto, em frente o Parque Setorial e sob o viaduto Jordão Reis, que ocorre esporadicamente em dias de chuvas intensas, o Semae informa que vai fazer a substituição do interceptor de esgoto na avenida Philadelpho Gouveia Netto, no trecho mencionado. É um trecho muito antigo cuja tubulação está sofrendo um processo de corrosão por causa do tempo. Já está sendo providenciada a contratação do projeto e posterior execução da obra. Neste período que antecede a substituição da tubulação, o Semae adotou um procedimento rotineiro de vistoria no local e mantendo a calha do rio Preto limpa. Quando ocorre o vazamento, é recolhido o material”, concluiu a autarquia.

Por Mariane Dias