Ministério Público abre inquérito para apurar vazamento de esgoto

Vazamentos ocorreriam em vários pontos, segundo denúncia (Foto: Cláudio Lahos)

O promotor Carlos Gilberto Menezello Romani, de Rio Preto, instaurou inquérito para investigar o vazamento de esgoto em vários pontos localizados na avenida Philadelpho Manoel Gouveia Neto.

O MP considerou as reclamações e requerimentos feitos pelo vereador Marco Rillo (PT) que pediu solução do problema na avenida próximo ao viaduto Jordão Reis.

“Tudo isso já vem há algum tempo, em 2019 inundou o Parque Setorial, a tubulação de esgoto não aguentou a pressão e ficaram dejetos espalhados pelo local. Com isso, logo no começo do ano, fiz um requerimento pedindo ao Semae uma solução porque é algo que afeta a população e o meio ambiente. No fim do ano fiz novamente um requerimento e nenhuma providência foi tomada. Portanto a solução foi recorrer ao Ministério Público”, explicou Rillo.

Segundo o inquérito, no dia 5 de abril de 2019, o Semae respondeu à época que o caso estava em análise para um projeto de substituição da rede no trecho.

Em 29 de novembro de 2019, uma nova resposta, ressaltando que o projeto estava em fase de estudo e que seria aberta uma licitação para a contratação da obra.

O promotor Carlos Romani instaurou inquérito para apuração dos fatos, a fim de colher elementos para a formação da convicção para ajuizamento de ação civil pública ou arquivamento do inquérito.

Romani notificou o superintendente do Serviço Municipal Autonômo de Água e Esgoto, Nicanor Batista Junior, para que esclareça e justifique a situação apontada, em um prazo de 15 dias.

Em nota, o Semae informou que irá fazer a substituição do interceptor de esgoto da avenida.

“Em relação ao vazamento de esgoto, em frente o Parque Setorial e sob o viaduto Jordão Reis, que ocorre esporadicamente em dias de chuvas intensas, o Semae informa que vai fazer a substituição do interceptor de esgoto na avenida Philadelpho Gouveia Netto, no trecho mencionado. É um trecho muito antigo cuja tubulação está sofrendo um processo de corrosão por causa do tempo. Já está sendo providenciada a contratação do projeto e posterior execução da obra. Neste período que antecede a substituição da tubulação, o Semae adotou um procedimento rotineiro de vistoria no local e mantendo a calha do rio Preto limpa. Quando ocorre o vazamento, é recolhido o material”, concluiu a autarquia.

Por Mariane Dias

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS