Meta do Trânsito é reduzir mortes e aumentar segurança escolar

Foto- Claudio Lahos

Até o final deste ano todas as escolas de Rio Preto devem ter mão única de direção. Além  disso, a Secretaria de Trânsito está investindo pesado em intervenções como lombofaixas, lombadas, sinalização e faixas de pedestres, além de ações educativas, para reduzir o alto índice de acidentes envolvendo pedestres e motociclistas na cidade.

“Já começamos a implantar a mão única de direção na frente das escolas. A meta é concluir esse trabalho até o fim de 2019. Reforçamos a fiscalização e instalamos equipamentos de segurança no trânsito para que os motoristas fiquem mais atentos e os estudantes mais protegidos. A mão dupla fazia com que muitas pessoas olhassem só para um lado antes de atravessar ou trafegar”, justifica o secretário da Pasta, Amaury Hernandes.

Segundo ele, antes dessa intervenção, o excesso de velocidade era um dos fatores de maior risco à segurança dos alunos. “A mudança só não será efetivada se houver transtornos para a região. É possível que por causa da tipologia do local haja uma ou outra escola que não permita a alteração. Mas será exceção. A regra é a mão única”, acrescenta.

De acordo com Hernandes, serão instaladas 18 novas lombofaixas nos locais de maior incidência de acidentes na cidade. Cada uma custa em torno de R$ 20 mil. “Quando mudamos a mão de direção de uma via, refazemos a pintura e reforçamos as sinalizações vertical e horizontal. É um trabalho rotineiro, de baixo custo. O serviço mais caro é o das lombofaixas”, informa.

Outro investimento importante feito pela Pasta, conforme o secretário, é a instalação de 50 cruzamentos semaforizados.

MORTES

Em 2016, foram registradas 76 mortes no trânsito rio-pretense. Em 2017, 72 e em 2018, 69, segundo Hernandes informou com exclusividade ao DHOJE. O levantamento com os números oficiais deverá ser fechado no próximo dia 19.

“Estamos trabalhando para que o nosso trânsito se torne menos violento a cada dia. Os parâmetros em países de primeiro mundo são de sete mortes a cada grupo de 100 mil habitantes. Em Rio Preto, hoje, temos 14 óbitos por 100 mil. Em dois anos, sete pessoas deixaram de morrer. Isso não é pouco. Nossa prioridade é reduzir esse índice em 50%, atingindo o patamar dos países mais desenvolvidos”, argumenta.

Com aproximadamente 460 mil moradores, Rio Preto tem uma frota estimada em 360 mil veículos, entre carros, motos, caminhões e utilitários.

“Temos um orçamento de R$ 23 milhões neste ano para garantir mais mobilidade urbana, segurança e melhorias viárias. Além dos recursos próprios, estamos buscando parcerias junto aos governos estadual e federal para complementarmos os investimentos”, finaliza Hernandes.

Por Daniele Jammal

 

 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIOS