Meditação: ferramenta para enfrentar os desafios da educação

A meditação tem ganhado espaço nos currículos pedagógicos das escolas brasileiras. Os benefícios da prática, comprovados cientificamente, vêm despertando a atenção de instituições de ensino que passaram a incorporar a técnica em sua grade de ensino. Segundo Etienne Janiake, psicóloga e professora de Yoga e Meditação, a prática de meditação dentro do ambiente escolar encontra destaque em países como a Inglaterra e os Estados Unidos. No Brasil, ela vem se destacando de forma mais lenta, porém tem ganhado espaço e pode futuramente ser uma ferramenta para enfrentar os desafios da educação.

“A gente tem conseguido uma abertura maior nos colégios e na prefeitura também. Eu tenho observado cada vez mais isso. A prefeitura está com um projeto. Eu já vi algumas ações nesse sentido. Em São Paulo, a gente tem várias escolas. Elas vão ter que olhar para as competências emocionais e a gente tem a meditação com uma forma de cuidar disso também. Então, a educação está precisando olhar para isso, está precisando desse movimento”, ressalta Janiake.

Dhoje Interior

De acordo com Etienne, autores da psicologia têm falado muito que o próximo grande ouro da humanidade será o desenvolvimento do foco. As pessoas apresentam cada vez mais coisas para desviar o foco das atividade importantes do dia a dia. A meditação possivelmente vai ser um dos caminhos para resgatar a atenção, até mesmo nas salas de aula. “Com a meditação, a gente vai praticar foco. Esse desenvolvimento do foco vai ajudar o aluno quando ele precisar focar na professora, na leitura, nos exercícios, ele vai ter essa habilidade desenvolvida”, destaca a professora.

Como explica a psicóloga, é comum os professores cobrarem dos alunos a atenção, mas, na verdade, os alunos nem sabem o que atrapalha sua concentração. “Uma coisa que a gente sempre fala nas escolas é que os professores sempre falam para os alunos prestarem atenção. Mas alguém já ensinou como prestar atenção? O que é a atenção? Definir essa qualidade de atenção é o objetivo da atenção plena, que é essa meditação que a gente trabalha”, comenta Janiake.

Nas escolas onde a Etienne trabalha, ela desenvolve atividades com crianças a partir dos três anos de idade. As crianças de 3 a 5 anos vivenciam, mas ainda não conseguem atingir o exercício de interiorização, mas é interessante que elas estejam em um ambiente onde a meditação é praticada. Dos cinco anos em diante, as técnicas de meditação são possíveis de ser trabalhadas.

A psicóloga comenta que trabalha em algumas escolas com a meditação voltada a crianças e adolescentes, porém enfatiza que o foco do seu trabalho se concentra em levar o conhecimento da meditação aos professores do sistema de ensino das escolas. “O meu foco hoje aqui é na aplicação com as crianças, mas nos outros colégios é formando professores. Isso é uma coisa que tem um resultado muito legal”, comenta.

Como lembra a Etienne, as técnicas compartilhadas com os professores podem ser utilizadas no dia a dia das crianças em momentos necessários para melhor a aprendizagem e o comportamento dos alunos. “Eu como instrutora de meditação, consigo atender poucos alunos, pois venho em momentos pontuais que eles param a rotina para fazer a meditação. O ideal, que é o que vemos em outros países, é que a gente tenha essa ferramenta como uma prática do professor. Para o equilíbrio dele, e para que ele possa fazer o uso dela quando for propício”, complementa a psicóloga.

As crianças que participam da aula aprovam a disciplina. Conversando, elas dizem que a meditação é uma prática muito boa, pois as deixam mais relaxadas, mais calmas e concentradas. Muitas até compartilham com os familiares as técnicas aprendidas com a professora. “Eu percebo que eu fico mais tranquila no dia a dia. Sempre na aula de yoga, a gente medita, faz exercício, eu ensino a minha mãe, minha irmã, meu pai, todo mundo. Então, eu acho que a aula de yoga influencia muito na minha vida”, comenta Lívia Agreli Pedroso, de 9 anos.

Como lembrar a psicóloga, hoje existem várias pesquisas que comprovam os benefícios da meditação tanto para a saúde física quanto mental. Qualquer pessoa pode praticar e o quanto antes começar, melhor. “Eu trabalho na área da saúde mental e emocional há quinze anos e vejo um aumento grande em casos de distúrbios psíquicos e emocionais, isso tudo está acontecendo com os adolescentes e vemos casos de suicídios nas escolas que é muito sério. Então, desenvolver ferramentas de alta observação, de equilíbrio, ensinar as crianças a lidarem com as frustrações da vida, isso vai prepará-las para chegar na adolescência e na vida adulta mais preparadas para poder lidar com a vida”, finaliza Janiake.

Por Leandro BRITO