Maníaco da calcinha volta a atacar vítimas rio-pretenses

vítima - Relatou à polícia que o suspeito a abordou enquanto chegava na casa da mãe

Um crime que assustou muitos rio-pretenses no ano passado, principalmente as mulheres, voltou a acontecer logo no primeiro mês de 2017. O suspeito aborda as mulheres e obriga que elas arranquem a calcinha e entreguem a ele. Na noite da última quinta-feira, a vítima desta vez foi uma nutricionista, de 25 anos, que procurou a delegacia para registrar a tentativa de estupro. A nutricionista ainda foi agredida com um soco no olho.
Em depoimento, a jovem – que preferiu não se identificar – contou que chegava na casa da mãe, no bairro Jardim Primavera, próximo a Represa Municipal e foi surpreendida pelo homem. “Ele estava com um capacete e disse que não queria roubar nada, mas que queria apenas que eu acariciasse seu órgão genital. Procurei manter a calma e fiz tudo o que ele pediu, inclusive retirar a minha calcinha. Logo após ele ter ejaculado, ele pediu para que eu fosse embora.”
A vítima disse que o homem estava nervoso e com os olhos vermelhos. Ela completou ainda que é capaz de reconhecer o autor, que acabou retirando o capacete durante o ato.
O suspeito pode ter relação com os seis casos que foram registrados em Rio Preto no ano de 2016, já que as características do homem e da abordagem são similares.
De acordo com o major Paulo Sergio Martins, do setor operacional da Polícia Militar, as características do suspeito já estão no sistema da polícia e o patrulhamento continua para que esse homem seja identificado e preso. “Todas as informações sobre o crime estão na rede da Polícia Militar, como as características do suspeito para que todas as viaturas que estão em patrulhamento pela cidade, principalmente na área do crime possam fazer buscas pelo suspeito e prendê-lo.”
Ainda segundo o major, a orientação da PM é para que as vítimas evitem lugares ermos, não andar sozinha (o), se desconfiar de alguma pessoa, anote as características como altura, cor de pele, roupas, boné, entre outras informações e ligue imediatamente para o 190 para que as viaturas possam ir atrás do suspeito. “Outra dica muito válida também é se por acaso a vítima está andando sozinha e está sendo seguida, não continue, pare no primeiro lugar movimentado que encontrar e acione a PM. Em casos de crime, não deixe de registrar o boletim de ocorrência, só assim a Polícia pode investigar e prender o suspeito.”
O caso será investigado pela Delegacia de Investigações Gerais (DIG).
Por Jaqueline Barros e Francela Pinheiro

SEM COMENTÁRIOS